Hélio Castroneves vence pela 4ª vez e entra para o panteão das 500 Milhas de Indianápolis

Hélio Castroneves vence pela 4ª vez e entra para o panteão das 500 Milhas de Indianápolis

Brasileiro fez corrida impecável e passou na raça para liderar no fim e vencer

Bernardo Bercht

Spiderman escalou cerca e foi para a galera

publicidade

Hélio Castroneves agora é mais do que uma lenda de Indianápolis. O brasileiro venceu as 500 Milhas pela quarta vez e entrou para o panteão do automobilismo. Aos 46 anos, o Homem-Aranha surpreendeu as principais forças da Indycar e na sua estreia com a novata Mike Shank Racing brigou muito por uma vitória consagradora. Agora existe uma cadeira a mais no clube dos tetracampeões, com A.J. Foyt, Al Unser, Rick Mears e Hélio Castroneves.

Durante todo o mês de maio, Castroneves mostrou confiança na performance do carro e largando em oitavo estava na briga. Durante a prova, contudo, o veterano mostrou controle total do ritmo e muita raça para atacar quando precisava.

Ele circulou no top 5 o tempo todo. Quando Rinus Veekay e Conor Daly dispararam na ponta com os carros da Carpentes, ele ficou ali, na alça de mira. Na terceira parada de box, um erro na roda traseira direita parecia atrapalhar os planos e o piloto perdeu três posições. Na pista, ele foi para cima e mesmo num dia difícil de ultrapassar, passou.

Na reta final, a batalha era quádrupla. Alex Palou liderava com a Ganassi, acossado por Castroneves e, em seguida, Pato O'Ward com a McLaren. Subindo de última hora, Simon Pagenaud parecia ter tudo para pressionar com a gigante Penske. Lá na frente, Felix Rosenqvist e Takuma Sato tentava a tática suicida de uma parada a menos. A bandeira amarela não veio para eles, contudo.

A 9 voltas do fim, Hélio atacou e passou Palou. O espanhol deu o troco e parecia até que ia abrir, com ajuda do vácuo de Rosenqvist, já uma volta atrás. Mas era dia do Homem-Aranha. O brasileiro veio com tudo a três voltas do final e passou, na marra. Para aumentar o drama, chegou na última volta numa enorme fila de retardatários. Podia atrapalhar, mas ajudou. Com o vácuo dos atrasados, Castroneves teve o suficiente para evitar um ataque de Palou e cruzou para a consagração total de uma carreira lendária.

Palou fechou em segundo e Pagenaud bateu a carteira de O'Ward no fim para ser terceiro, após largar em 26º. Ed Carpenter remou muito, após cair para o fim do pelotão e foi quinto. Destaque ainda para Juan Pablo Montoya, voltando à Indy 500 com um competitivo nono lugar com a McLaren, seguido de outro lutador. A Ganassi errou a tática com Tony Kanaan e o brasileiro teve que usar toda sua experiência e achar atalhos para finalizar em décimo. Pietro Fittipaldi tentou uma tática arriscada que não funcionou e fehcou no 24º lugar.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895