capa

Hamilton vence GP 1000 da F1, Ferrari erra e Mercedes faz nova dobradinha

Britânico superou Bottas na largada do GP da China e assumiu a liderança do campeonato

Mercedes fez terceira dobradinha e mandou um abraço para a Ferrari

publicidade

Lewis Hamilton definiu na largada que o GP 1000 da Fórmula 1 seria o momento de mostrar porque é o maior campeão da sua geração. O britânico fez uma arrancada perfeita, mesmo na parte suja da pista, e despachou o pole Valtteri Bottas. Daí para a frente, comandou o espetáculo e assumiu a liderança da temporada 2019. De quebra, com requintes de crueldade para cima da Ferrari, que novamente se atrapalhou consigo mesma e viu a Mercedes fazer a terceira dobradinha do ano.

Mas sim, os carros prateados tinham uma vantagem clara de velocidade no sinuoso traçado da China, compensando qualquer superioridade que a Scuderia pudesse levar nos retões. Vantagem tão boa, que fez a Ferrari tropeçar nas suas táticas de equipe. Antes disso, Daniil Kvyat fez um strike nas duas McLaren, acabando com mais uma chance dos britânicos fazerem pontos. Curiosamente, abriu caminho para o companheiro Alex Albon, que largou dos boxes e faria uma bela prova rumo ao segundo pontinho da carreira.

Leclerc também largou melhor que Vettel e assumiu a terceira posição. O monegasco não tinha ritmo para acompanhar as Mercedes e os italianos se enganaram que ele estaria "freando" Vettel. Veio a ordem para deixar passar, ela foi insistida e, enfim, Leclerc cedeu. Só que depois de assumir o terceiro posto, o alemão passou a errar, fritar pneus e nunca se distanciou efetivamente de Leclerc. Tampouco tirou a diferença para Bottas, o segundo.

A cartada, então, foi antecipar os pit-stops. Max Verstappen foi o primeiro, e a decisão acabou sendo vital para desmobilizar a Ferrari. O escolhido da Scuderia foi Vettel. Chegou a funcionar brevemente, e o alemão voltou próximo de Bottas. Ao mesmo tempo, o coitado do Leclerc foi mantido na pista por infindáveis dez voltas, com pneus totalmente desgastados. Quando voltou, estava atrás de Verstappen a mais de dez segundos. Quase um castigo por ousar andar na frente do colega tetracampeão.

Quem agradeceu foi Verstappen, que se atirou para cima de Vettel e chegou a passar brevemente, mas tomou o troco. Ainda assim, os vermelhos jogaram no colo dos energéticos pontos que eles nem deviam disputar.

No meio do pelotão, o destaque era um combativo Kimi Raikkonen, que ultrapassou as duas Haas e Nico Hulkenberg para figurar nos pontos. Daniel Ricciardo seguia rumo aos seus primeiros pontinhos com a Renault, enquanto o companheiro Hulkenberg abandonava outra prova combativa.

No último stint, Bottas até ensaiou uma pressão em Hamilton, descontou a diferença, mas o britânico respondeu e colocou tudo em seu lugar. Cruzou a linha de chegada com folga e a liderança do certame. Bottas completou a dobrainha e Vettel fechou o pódio com cara de poucos amigos. Em quarto, Max Verstappen garantiu o suficiente para ser o terceiro no campeonato, superando os dois pilotos da Ferrari. O quinto foi o prejudicado Leclerc, que nem saudou o time na mureta dos boxes.

Pierre Gasly fez seu melhor resultado na Red Bull, em sexto, mas a quilômetros de Verstappen. Ainda parou no fim para botar pneus macios e fazer a volta mais rápida. Pouco, para o que se espera dele. O sétimo foi Ricciardo, finalmente completando uma corrida, seguido do heróico Sérgio Perez na complicada Racing Point e do super regular Raikkonen, pela terceira vez nos pontos. Albon, por fim, completou em décimo.

Com todos os pontos desperdiçados, já começa a parecer tarde demais a hora da reação da Ferrari. Hamilton agradece e vai em busca do hexa.