Kubica anuncia saída após batalha exemplar e Grosjean é confirmado na Haas F1
capa

Kubica anuncia saída após batalha exemplar e Grosjean é confirmado na Haas F1

Dança das cadeiras da Fórmula 1 tem chances cada vez mais reduzidas para Hulkenberg e brasileiros

Por
Bernardo Bercht

Polonês recebeu os cumprimentos de Hamilton, seu contemporâneo no kart

publicidade

A Fórmula 1 teve um cockpit não muito cobiçado sobrando nesta quinta-feira e, ao mesmo tempo, fechou uma das vagas mais cotadas do grid. Tudo por conta da Haas F1 surpreender ao não mudar nada e anunciar a manutenção de Romain Grosjean ao lado de Kevin Magnussen para 2020, apesar de todos os resultados desperdiçados e alta conta de manutenção do francês. Ao mesmo tempo, Robert Kubica anunciou que está fora da Williams quando encerrar um ano símbolo de perseverança que comprovou uma recuperação incrível de um grande caráter do automobilismo.

Quem certamente torceu o nariz foi o alemão Nico Hulkenberg, já defenestrado da Renault por Esteban Ocon. Agora, restou a ele entregar currículos na Alfa Romeo, pelo lugar do instável Antonio Giovinazzi; ou então aceitar um provável carro abaixo da média na tentativa infrutífera até então da Williams em escalar o pelotão.

Também sobrou, por enquanto, o brasileiro Pietro Fittipaldi, que ainda conversava com a Haas, time no qual é terceiro piloto. Para ter alguém do país no grid, ano que vem, a chance efetiva resta para Sergio Sette Câmara que ainda negocia com apoios pelo assento da Williams.

Hulkenberg, enquanto isso, já reconheceu que pode ser forçado a um ano sabático ou em outra categoria como a Formula E. Para ele, são improváveis campanhas por assentos, por exemplo, na Toro Rosso. A conclusão é que a Fórmula 1 2020 vai mudar sem mudar muito, mas ainda no aguardo do que fará Sebastian Vettel e o que será do segundo cockpit da Red Bull, por enquanto com Alex Albon.