Leclerc vence batalha com Perez e crava a pole no GP do Azerbaijão

Leclerc vence batalha com Perez e crava a pole no GP do Azerbaijão

Ferrari e Red Bull abriram enorme vantagem para o pelotão na veloz pista de rua

Bernardo Bercht

Charlinho, o dono da rua

publicidade

Charles Leclerc voltou a mandar nos cronômetros e cravou a pole para o GP do Azerbaijão, neste sábado. O monegasco sempre pareceu destinado à primeira fila, mas teve que segurar alguma pressão das Red Bull para colocar a Ferrari na frente com 1min41s359. Sérgio Perez voltou a superar Max Verstappen e, mesmo reclamando por não receber vácuo do companheiro, fez o segundo tempo. O atual campeão, por sua vez, abrirá a segunda fila.

Quem desapontou um pouco no Q3 foi Carlos Sainz. O espanhol abriu a sessão como o mais rápido, mas errou na tentativa final. Tinha carro para bem mais e vai partir apenas do quarto posto, meio segundo mais lento que Leclerc.

A turma da frente, dessa vez, transformou o resto do grid em outra categoria de automobilismo. George Russell, o quinto, ficou a 1,5s da pole com a Mercedes. Entre ele e Lewis Hamilton, o francês Pierre Gasly com a super rápida nas retas AlphaTauri.

Novamente muito desconfortável com o porpoising e falta de aderência em baixa velocidade, Hamilton precisou de uma ajudinha de Russell para se garantir no Q3. No Q2, o vácuo do companheiro foi essencial para avançar sem ameaça de degola ao top ten. Yuki Tsunoda, o surpreendente Sebastian Vettel na Aston Martin e Fernando Alonso completaram o top ten.

Na história do Q2, as McLaren foram as mais frustradas, bem pertinho de avançar, mas degoladas com Lando Norris em 11º e Daniel Ricciardo em 12º. Com performance bem abaixo do colega de Alpine, Esteban Ocon estacionou no Q2, em 13º. As duas Alfa Romeo até chegaram no Q2, mas com aerodinâmica bem carregada, acabaram fechando os 15 primeiros, com Guanyou Zhou à frente de Valtteri Bottas, uma visão rara.

O brilho do Q1 foi todo de Lance Stroll, mas por todos os motivos errados. O canadense bateu de frente no muro com a Aston Martin, mas conseguiu dar ré e voltar para a pista. Ao invés de retornar aos boxes para conferir o carro, seguiu. Tentou a volta rápida, perdeu a freada e destruiu a lateral direita, com roda, suspensão e tudo.

A paralisação com bandeira vermelha gerou aquele engarrafamento na tentativa final da turma. Alex Albon reclamou muito de Alonso, que errou uma freada e saiu da pista. Bottas foi a estrela, costurando no meio do pelotão. Apesar do trânsito, achou uma volta para avançar em 15º e derrubar Kevin Magnussen da Haas. Albon e Latifi com as Williams ainda ficaram à frente do estampado Stroll e do vagaroso Mick Schumacher, lanterninha do dia.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895