Verstappen vence corrida sonolenta em Mônaco e incendeia o campeonato da F1

Verstappen vence corrida sonolenta em Mônaco e incendeia o campeonato da F1

Prova definida por erros táticos teve Vettel como destaque e apenas uma ultrapassagem, entre as Haas

Bernardo Bercht

Holandês comemorou com estilo a ponta do campeonato

publicidade

Max Verstappen venceu o GP de Mônaco de ponta a ponta e assumiu a liderança do campeonato de Fórmula 1. Para o Mundial, excelente, na pista, uma prova sem graça e com apenas uma ultrapassagem, ainda no comecinho entre as duas Haas. Mônaco entregou muita intriga, pelos erros táticos da Mercedes, mas nada de disputa ao longo de modorrentas 78 voltas. O mais legal, talvez, tenham sido os "bróders" Carlos Sainz e Lando Norris subindo ao pódio juntos, com Ferrari e McLaren, segundo e terceiro lugares.

O anti-clímax começou com a Ferrari não conseguindo alinhar o carro do pole Charles Leclerc, ainda por problemas da batida nos treinos. Normalmente, o pole largaria no lado sujo, pela linha interna. Verstappen largou do lado limpo, já que Leclerc vagou seu posto. Mesmo arrancando pior que Bottas, a Red Bull tracionou melhor e ele manteve a dianteira. A partir daí, tática e uma procissão digna de autorama.

A Mercedes tentou calcular qual seria o momento de tentar chamar Hamilton e ter pista livre para ele ganhar posições no undercut. A tentativa veio na volta 20, mas aí o erro: calçaram pneus duros no britânico. A borracha não esquentou e o heptacampeão não conseguiu fazer voltas rápidas para avançar. Resultado, Sebastian Vettel ficou na pista e superou ele e Pierre Gasly para ser sexto, que logo viraria quinto.

Isso porque a Mercedes teve um desastre completo com Bottas. O finlandês parou tranquilo e a roda dianteira direita não soltou. A porca sofreu um defeito, quebrou, e o pneu ficou preso. Fim de corrida por um dos problemas mais banais da história recente da F1. Na pista, Hamilton xingava pela mudança de tática, já que esperava continuar até a segunda metade da prova. Sainz herdou o segundo posto, com Norris em terceiro.

Quando tudo se conformou, quem mais lucrou foi Sérgio Perez, que liderou uma volta ao atrasar seu pit e fez valer a performance da Red Bull. Retornou em quarto lugar. O quinto era o de novo faceiro Vettel, com Gasly em sexto e o injuriado Hamilton em sétimo. Lance Stroll seguiu de pneus duros até o terço final da prova, parou e provou que o ideal era se manter no asfalto, retornando ainda em oitavo.

Aí a briga virtual, pois ninguém ia passar ninguém, era de Esteban Ocon com a Alpine e Antonio Giovinazzi. O italiano até ensaiou abrir asa, sacudir o carro, mas nunca teve oportunidade de passar. Terminariam em nono e décimo, com os pontinhos finais. Lá atrás, Alonso tentou uma tática diferente, com pneus macios no fim. Até desconto 10 segundos em quatro voltas de Ricciardo, mas também não conseguiu fazer nada, encerrando em 13º.

Lá na frente, Max desfilou para vencer com boa folga, seguido da brodeiragem Sainz, Norris. Agora, tem 105 pontos contra 101 de Hamilton. No fim, o destaque da prova foi mesmo Vettel, usando o que ele melhor sabe, acelerar com pista livre e levar posições nos boxes. O quinto lugar deu uma subida no moral, depois de uma longa fase ruim.

 


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895