capa

Vitória polêmica da Toyota e campeões brasileiros marcam 24 Horas de Le Mans

Daniel Serra, Felipe Fraga e André Negrão venceram a lendária corrida nas suas classes

Por
Bernardo Bercht

Erro com carro #7 entregou vitória para o #8 de Nakajima, Buemi e Alonso

publicidade

A Toyota voltou a correr sozinha nas 24 Horas de Le Mans, sem ameaça concreta dos construtores "privados". O resultado foi uma dobradinha foldada dos agora históricos TS050 Hybrid. A vitória, entretanto, poderia ter um gosto mais doce não fosse o erro do time com seu carro número #7, guiado por Mike Conway, Kamui Kobayash e Jose Maria Lopez. Uma troca errada de pneus e um furo tiraram uma vitória dominante do trio que fez tudo certo o tempo todo e entregou no colo do #8, o bi das 24 Horas para Sebastien Buemi, Kazuki Nakajima e Fernando Alonso.

Num dia que seria de beber champanhe e comemorar também o título do supercampeonato do Mundial de Endurance, a Toyota precisou dar explicações. E, talvez, essa fosse a vez em que ordens de equipe seriam justificáveis. Tamanha era a vantagem dos Toyota, que devolver a ponta para o #7 teria sido o espírito esportivo e reconhecimento de pilotos que sofreram contratempos em tantas outras 24 Horas com os japoneses.

Dito isso, Alonso e companhia se recuperaram de um problema com uma porta defeituosa que tirava vários milésimos de segundo por volta do carro #8. E estava na espreita para faturar o título.

É preciso destacar a grande performance brasileira na França. Foram dois campões de Le Mans! Na LMP2, André Negrão fez o time com Nicolas Lapierre e Pierre Thiriet para levar o Alpine A470 ao degrau mais alto do pódio. Dominaram amplamente a corrida e botaram uma volta de diferença para o Oreca 07 de Ho-Pin Tung, Stephane Richelmi e Gabriel Aubry.

Entre os carros de GT, a fita azul também ficou com brasileiro, a segunda de Daniel Serra por sinal. O campeão da Stock Car guiou a Ferrari 488 GTE com Alessandro Pier Guidi e James Calado na disputa mais acirrada de toda a corrida. Cinco carros finalizaram na volta do líder, mas a equipe italiana conseguiu superar o ímpeto dos Porsche e a força dos Ford GT para subir ao degrau mais alto do pódio.

Por fim, a GTE AM teria dois brasileiros no pódio. Felipe Fraga celebrou a vitória ao lado de Ben Keating e Jeroen Bleekemolen, a única do Ford GT na sua provável despedida da corrida em 2019, mas o time acabou desclassificado por conta de uma infração no tanque de gasolina. Eles brigaram até o fim com o Porsche 911 de Jorg Bergmeister, Patrick Lindsey e Egidio Perfetti, assim como o terceiro lugar, a Ferrari 488 de Jeff Segal, Wei Lu e do outro brasileiro Rodrigo Baptista. A Porsche acabou levando, com o time de Baptista em segundo.