Brasil empata sem gols com a Costa do Marfim e define classificação na quarta-feira

Brasil empata sem gols com a Costa do Marfim e define classificação na quarta-feira

Seleção Brasileira teve um jogador expulso logo aos 15 minutos, mas conteve as investidas adversárias

Carlos Corrêa

Com o resultado, Brasil define a classificação diante da Arábia Saudita, na quarta-feira

publicidade

A Seleção Brasileira não saiu de um empate sem gols com a Costa do Marfim pela segunda rodada do torneio masculino nos Jogos de Tóquio-2020. Dadas as circunstâncias, no entanto, não é um resultado a ser lamentado. Primeiro, porque o Brasil jogou grande parte do duelo com um a menos, já que Douglas Luiz foi expulso aos 15 minutos. Segundo, porque em termos de classificação a vaga parece encaminhada, já que o time tem quatro pontos e, às 5h (de Brasília) da madrugada de terça para quarta-feira ainda enfrenta a Arábia Saudita. Alemanha e Arábia jogam às 8h30min deste domingo pela segunda rodada ainda.

Ao contrário da estreia, quando o Brasil se impôs à Alemanha e teve um primeiro tempo beirando a perfeição, desta vez o time treinado por André Jardine teve dificuldades diante da Costa do Marfim. Contra um adversário que se impunha fisicamente e saía em velocidade, a Seleção até chegava pelos lados, mas não conseguia ameaçar o gol adversário. E o que estava complicado ficou pior logo em seguida. Aos 12 minutos, Dao escapou em velocidade e foi derrubado por Douglas Luiz. O árbitro Ismail Elfaht, dos EUA, de início deu apenas cartão amarelo, mas chamado pelo VAR, reconsiderou e expulsou o volante brasileiro. Daí em diante, praticamente só deu Costa do Marfim até o intervalo. Tanto que o jogador do Brasil mais exigido foi o goleiro Santos, que fez boas defesas em conclusões de Amad Diallo, aos 28 e aos 42 minutos. A melhor chance brasileira, foi com um chute de Claudinho aos 36, desviado pela defesa.

Na etapa final, mesmo com um homem a menos, o Brasil teve uma postura diferente e igualou o embate com os costa marfinenses e passou a criar chances de gol com um volume muito maior. Mais do que isso, manteve o jogo no campo de ataque, conseguindo não ser mais encurralado pelos adversários na defesa. As oportunidades de gol, contudo, não eram claras. A situação só foi mudar quando, já próximo do final, Kouassi foi expulso. Novamente em igualdade numérica, a Seleção conseguiu aproveitar melhor os espaços e quase marcou nos acréscimos, com Malcom, que cabeceou muito perto. A classificação, no entanto, ficou mesmo para o jogo contra a Arábia Saudita.

 


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895