Infância - Tempo de Pintar

Infância - Tempo de Pintar

Alfredo Aquino *

Yolanda Ianelli Fernandez pinta a tempestade que se aproxima

publicidade

A mostra “Infância” está na Sala Expositiva do Theatro São Pedro, com 50 telas de Yolanda Ianelli Fernandez. Um recorte selecionado dentro de um universo de mais de duzentas pinturas dessa menina que está fazendo 6 anos, justamente ao tempo da exposição (dia 30 de junho). Uma criança que aproveitou o tempo forçado de isolamento, durante dois anos, para pintar e brincar. A menina pintou, com disciplina e leveza, esse conjunto que possui uma surpreendente harmonia estética e propõe uma espécie de caligrafia pictórica, uma sintonia com outras crianças, numa linguagem própria das crianças. Yoyo, a menina de 6 anos tem 5 livros publicados, no período de seus dois anos até a data desta mostra.

“Yoyo e os Museus”, “Yoyo e os Desenhos”, “Yoyo e as Pinturas”, mais o livro de poesia e arte “Canções Meninas” e “Dia no Ateliê”, o livro infantil que conta a história da menina que pinta, escrito por sua mãe, Mariana Ianelli, poeta e cronista. Livro no qual ela é a protagonista e apresenta os seus trabalhos de pintura. Mariana e Yoyo fizeram uma doação de 100 exemplares desse livro infantil às professoras das escolas públicas e às Bibliotecas Públicas, (através do Theatro São Pedro), que trouxerem as crianças para visitar a exposição.

É uma exposição para crianças e adultos. Para compartilhar a linguagem da maneira de ver o mundo da forma aguda e precisa das crianças. Yoyo tem um senso de espaço pictórico peculiar, na colocação das cores e dos temas porque pinta livremente todos os dias. O pintor Joan Miró provocado em polêmica sobre sua pintura... “mas o senhor pinta como se fosse uma criança de 5 anos...” respondeu que ... “sim e levei 50 anos para reaprender a pintar com a leveza, a síntese e a liberdade de uma criança de 5 anos...” 

Todas as crianças são iguais e todas têm potencialidades espantosas que devem ser estimuladas e apoiadas. A semente dessa exposição “Infância” e seu livro de arte surgiu de um gesto de estímulo. Certo dia os pais de Yolanda retiraram das paredes de sua casa as obras de artistas consagrados (Arcangelo Ianelli, Tomie Ohtake, Emanuel Araújo e Cuzquenhos antigos – momentaneamente, mas sem previsão de data de retorno) e povoaram as paredes com as pinturas da menina. Nessa hierarquia de urgências está o incentivo. Formou­se assim a “Grande Galeria” que está reproduzida em parte nesta mostra afetiva do Espaço Expositivo do Theatro São Pedro – aberta às crianças e ao público de maneira gratuita. Não se tem notícia documental que outros artistas tenham tido a atenção de uma exposição de tratamento museográfico, com montagem, iluminação, molduras, cartelas, banners e livro de arte, aos 6 anos de idade. Yolanda apresenta suas composições cromáticas, seus gatos, sua revoada de morcegos, seus monstros imaginários, os bichos marinhos que se alimentam de algas, a tempestade e o vento; agora aprende a ler e escrever e aparecem as letras – há inclusive uma tela na qual ela escreve o seu nome.

É crucial que se apoiem os esforços pela Cultura, pela difusão do Conhecimento, aperfeiçoar os instrumentos de educação para a formação das crianças, sua sociabilização solidária e assim proteger a Infância. É essencial superar os preconceitos e o conservadorismo engessado, estimulando a curiosidade e o ímpeto à alegria criativa das crianças, pois estes são os sinônimos da liberdade e da evolução.
Essa é uma exposição de identidade com todas as crianças porque elas são do mesmo cais. É tempo de pintar, é tempo de brincar.

* Artista plástico, pintor e editor de livros de literatura e arte. Edições Ardotempo.

SERVIÇO

O QUÊ: “Infância – Yoyo e as Pinturas”. Exposição de 50 
pinturas de Yolanda Ianelli Fernandez. 
ONDE: Sala de Exposições do Theatro São Pedro (Praça Marechal Deodoro, s/n<SC120,176>).
QUANDO: Até 3 de julho.
QUANTO: Gratuito.
BATE-PAPO: "Conversas sobre o tema da Infância", com Antônio Holhfeldt; Cleonice Bourscheid e Mariana Ianelli, neste sábado, dia 18 de junho, das 17h às 19h, no local. 



Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895