A pandemia do léxico

A pandemia do léxico

Ausência de evidência científica de eficácia não é a mesma coisa que evidência científica de ausência de eficácia

Guilherme Baumhardt

publicidade

Há uma expressão que no Brasil substituirá os famosos e consagrados “papá” e “mamá” como primeiras palavras ditas por bebês, quando começam a balbuciar e a experimentar a própria voz. Elas serão impiedosamente substituídas por uma frase: “Não há comprovação científica”. O pequeno Enzo e a pequena Valentina, ao verem o pai, a mãe, a mamadeira ou o pratinho com banana amassada, não soltarão um “papá” ou “mamá”. Eles dirão com aquela voz doce, suave e encantadora: “Não há comprovação científica”. Encantados e ao mesmo tempo assustados, os papais não poderão reclamar.

A expressão é dita a todo instante. Ela sai da boca do repórter. E sai da boca do “especialista” entrevistado pelo repórter. Ela diz muito, mas também pode não dizer nada. Ao afirmarmos que algo não tem comprovação científica, estamos escondendo alguns outros cenários – e palavras – possíveis. Poderíamos muito bem dizer: “o tratamento precoce não tem comprovação científica... ainda”. E não estaríamos errados. Afinal, o assunto é tema de debate e parece estar longe de ser pacificado – algo que talvez nunca ocorra.

Conversando com o professor de economia Ronald Hillbrecht ouvi uma frase que sintetiza bem a selva gramatical em que nos metemos – e nos perdemos: “Ausência de evidência científica de eficácia não é a mesma coisa que evidência científica de ausência de eficácia”. Sim, é de dar um nó na cabeça do vivente, mas em outras palavras é mais ou menos o seguinte: dizer que a ciência não comprova, não significa necessariamente dizer que a ciência descarta.

Em entrevista ao Agora, na Rádio Guaíba, o médico Julio Pereira Lima lembrou que recentemente o NIH (National Institute of Health – EUA) mudou a classificação da Ivermectina de “não recomendável” para o tratamento da Covid-19 para “neutra”. Pergunto: qual “comprovação” vamos abraçar neste caso? A anterior? Ou a nova? Além disso, mais de vinte países, entre eles três da União Europeia, adotam o uso da medicação como política oficial de combate à doença.

No mundo, existe a doença. Em quase todos os cantos do mundo, existe a doença e uma crise econômica provocada pela doença. No Brasil somos privilegiados: temos a doença, a crise econômica gerada pela Covid e uma guerra política baseada na confusão estabelecida por comprovações pouco comprovadas. Quando é para enfiar o pé na jaca, a gente capricha. Se estivéssemos apenas em uma discussão semântica, o problema seria menor. Mas o que temos hoje são vidas em jogo.

Apesar das ironias e críticas acima, encerro de maneira bastante objetiva. Médicos que decidam não receitar os remédios que estão no centro do furacão merecem respeito. O mesmo respeito que merecem os médicos que adotam o chamado tratamento precoce. Estamos, mais uma vez, tratando de liberdade, algo que parece inconcebível especialmente na cabeça dos que criticam o segundo grupo.

Um bom negócio

A CEEE-D tem novo dono. Ainda faltam burocracias a serem superadas, mas se não surgirem contratempos o grupo Equatorial será o novo controlador da empresa. A modelagem do negócio ainda é alvo de divergências – alguns sustentam que a venda conjunta, com a CEEE-GT, seria mais vantajosa. De qualquer forma, temos um horizonte iluminado pela frente. Os compradores ostentam um histórico positivo na recuperação de empresas à beira do colapso – caso da estatal gaúcha. Após um minucioso trabalho de gestão, conseguem colocá-las em um novo patamar. A Cemar (Maranhão) é um exemplo. Antes da Equatorial, ela figurava entre as piores do país. Hoje está entre as cinco melhores distribuidoras de energia que atuam no Brasil.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895