Tom sobe, mas campanha não pode descer a ladeira

Tom sobe, mas campanha não pode descer a ladeira

Propostas devem pautar o debate

Taline Oppitz

publicidade


Candidato do MDB à prefeitura de Porto Alegre, Sebastião Melo (MDB) teve indeferida a ocorrência contra sua adversária na disputa pelo segundo turno, Manuela D'Ávila (PCdoB). Melo sustentava que Manuela cometeu “crime eleitoral” em seu programa eleitoral de TV, com supostas vinculações dele a manifestações racistas. Mesmo com o indeferimento do pedido para que o programa fosse retirado do ar, Manuela acionará Melo judicialmente por dano moral, injúria, difamação e denunciação caluniosa. A candidata afirmou que seu oponente tentou criar um fato eleitoral. Na prática, o episódio foi apenas mais um nos últimos dias que evidencia o aumento no tom da campanha. As atuações no debate da Rádio Guaíba, Correio do Povo e Amrigs também foram na mesma linha.

Com a proximidade da ida às urnas no domingo, candidatos e coligações, especialmente nas veiculações dos programas eleitorais de rádio e TV, vêm atacando o adversário com investidas de viés político e ideológico. As estratégias podem ser consideradas do jogo, mas os indicativos são de que o clima ficará ainda mais tenso nos dias restantes de campanha. O risco de erro nas táticas também é crescente. Manuela e Melo estão protagonizando uma disputa acirrada e um dos principais alvos de ambos é o mesmo: os votos brancos, nulos e abstenções do primeiro turno, que somados representam mais de 436 mil eleitores. A subida do tom, críticas e cobranças mais incisivas fazem parte, mas a campanha corre o risco de descambar para a baixaria, cenário desnecessário para a cidade e para os eleitores, indecisos ou não, que querem propostas concretas. Bagagem, experiência e conhecimento sobre Porto Alegre, Manuela e Melo têm de sobra. Que usem essas características a seu favor, a favor da cidade, em respeito aos eleitores e para a disputa terminar no próximo domingo em alto nível, independentemente do veredicto das urnas. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895