UTI Neonatal de Santa Rosa investe em humanização
capa

UTI Neonatal de Santa Rosa investe em humanização

Unidade recebe mais de 200 bebês de toda a região por ano

Por
COLABORE

Ações são implementadas para qualificar ainda mais o atendimento


publicidade

Para melhorar ainda mais a humanização da UTI Neonatal do Hospital Vida & Saúde, de Santa Rosa, as equipes de saúde implementaram uma série de ações na unidade. Hora do soninho, momento dos avós e novos profissionais de apoio foram algumas das inovações. O setor é referência na Central de Leitos do Estado e recebe pacientes de todas as regiões.
 
Entre as melhorias na UTI Neonatal está a criação de uma hora especifica para a visita dos avós. A intenção foi de estimular o contato e fortalecer a inclusão do bebê com a família. Uma fonoaudióloga e uma psicóloga  foram contratadas para prestar avaliação e atendimento permanente no setor. Segundo a enfermeira responsável, Lissandra Maicá Ruedell, este ano, as ações de qualificação foram intensificadas. “Avançamos muito na qualificação da equipe, concretizando protocolos de segurança. Seguimos com os treinamentos respeitando as orientações de segurança, visando, cada vez mais, a um acolhimento e humanização para as famílias recebidas no hospital". 
 
No ano passado, havia sido instituída a Hora do Soninho, que estabeleceu, em cada turno, uma hora para estimular o pleno descanso dos bebês, importante para o crescimento e o desenvolvimento. Esse é um dos principais setores do hospital e que mantém taxa de ocupação de cerca de 97%. 
 
Cerca de 62% dos pacientes atendidos este ano foram de outros municípios. Número maior que em relação ao ano passado, que a média era de 50%. Outro número que também aumentou, em 2020, foram os atendimentos. Em 2019, nos seis primeiros meses, 108 bebês haviam sido atendidos e, este ano, foram 118. 
 
 
O aumento na taxa de ocupação de meninos também chamou a atenção. Neste ano, 68 pacientes eram do sexo masculino e 50 do sexo feminino. Segundo a enfermeira responsável, Lissandra Maicá Ruedell, essa média vem se mantendo, "Há alguns anos, estamos percebendo que o número de meninos vem se mantendo maior que o de meninas". Diversas ações ainda devem ser implementadas, em 2020, com objetivo de qualificar ainda mais esse setor e que recebe mais de 200 bebês por ano.