Com psicóloga, Felipão resgata confiança do Cruzeiro e aposta em veteranos
patrocinado por

Com psicóloga, Felipão resgata confiança do Cruzeiro e aposta em veteranos

Em duas vitórias e um empate, o técnico já promoveu mudanças na escalação e alterou o ambiente do time

AE

Com a postura mais prudente, Felipão reforçou sua função extra de "escudo" do elenco

publicidade

Foram apenas três jogos, mas, desde que chegou ao Cruzeiro, Luiz Felipe Scolari ainda não perdeu. Em duas vitórias e um empate, o técnico já promoveu mudanças na escalação e alterou o ambiente do time, visivelmente mais confiante. Para tanto, Felipão vem apostando no trabalho de uma psicóloga, no seu estilo motivacional e em jogadores mais experientes.

A situação do time inspira cuidados. Vivendo uma dura crise financeira, o clube está longe de brigar pelo acesso para retornar à Série A do Campeonato Brasileiro, que seria o objetivo mais óbvio para a equipe, uma das mais vitoriosas do País. Pelo contrário, o Cruzeiro busca no momento é se afastar da zona de rebaixamento, correndo risco de uma nova queda, desta vez para a Série C. No momento é o 16.º colocado, uma posição acima da zona da degola, com 20 pontos.

Ao ser contratado, no dia 15 de outubro, Felipão já chegou mudando o discurso do time. A narrativa sobre volta à primeira divisão deu lugar a declarações cautelosas, no estilo "um dia de cada vez". "O mínimo para não cair à Série C é de 45 pontos. Nós só temos apenas 20. Não adianta ficar enganando ninguém. Temos que correr atrás de no mínimo 25 para depois correr atrás de outras coisas", disse o treinador, que ganhou sete dos nove pontos em disputa em seus três primeiros jogos.

Com a postura mais prudente, ele reforçou sua função extra de "escudo" do elenco. Felipão passou a concentrar as atenções da imprensa e da torcida. Internamente, passou a fortalecer a confiança dos jogadores com seu conhecido estilo motivacional, às vezes até passional. Nesta busca, passou a trabalhar com a psicóloga Michelle Rios para extrair o melhor de cada atleta, ciente de que no momento o clube não tem condições de trazer reforços de peso.

Veja Também

O choque de confiança deu resultado nos três primeiros jogos sob o seu comando. O time está mais atento e concentrado em cada partida. Os jogadores estão arriscando mais em campo, deixando a apatia de lado e mostrando mais competitividade. Desta forma, Felipão alcançou o seu primeiro objetivo: voltar a vencer.

A meta seguinte é melhorar a performance coletiva. Se a autoconfiança voltou ao elenco, as limitações táticas e técnicas seguem presentes. "Eu diria que a identidade está sendo criada à medida que os jogos estão sendo jogados, na medida no que estamos nos conhecendo nos treinamentos e no dia a dia da Toca (da Raposa). Algumas coisas eu tenho cobrado, outras coisas eu tenho feito quase que como um professor de escola, orientando muitos jovens, que precisam de muito carinho e ensinamento", afirmou o experiente treinador.

Na escalação, as mudanças são mais sutis. Felipão fez poucas alterações desde a estreia. Mas já deixou claro que pretende dar maior espaço aos veteranos. "Não se faz um campeonato de Série B com meninada, com 10 ou 12 meninos, não se faz", reforçou o treinador. Não por acaso a primeira mudança no elenco foi a troca do jovem meia Maurício, de 19 anos, pelo atacante William Pottker, de 26.

Pottker deve se tornar o parceiro de Marcelo Moreno no ataque, com Arthur Caíke de opção no setor. O atacante veterano boliviano, de 33 anos, é o exemplo típico do que Felipão está mudando no Cruzeiro. Com o treinador, Moreno voltou a ser titular, empurrando Airton e Sassá para o banco de reservas. Felipão espera que ele recupere a sua melhor forma técnica como fez em 2014, quando ajudou o Cruzeiro a ser campeão brasileiro, com 24 gols em 57 jogos.

Na defesa, retomaram seus postos o lateral-direito Raúl Cáceres e o zagueiro Manoel, o que explica em parte as boas atuações do Cruzeiro nos últimos três jogos. O lateral se recuperou de lesão, enquanto Manoel está reabilitado após contrair o novo coronavírus. No meio de campo, Felipão segue apostando na experiência de Marquinhos Gabriel, apesar das críticas da torcida.

Outro trunfo do técnico em seu retorno ao time foi o período privilegiado de treinos. Ele já teve por duas vezes quase uma semana inteira livre para treinar a equipe mineira, uma vez que o Cruzeiro já foi eliminado na Copa do Brasil e agora disputa apenas a Série B.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895