Federação Francesa de Atletismo pede adiamento dos Jogos de Tóquio

Federação Francesa de Atletismo pede adiamento dos Jogos de Tóquio

"Não podemos admitir que o COI não escute o esporte olímpico número 1", declarou André Giraud

AFP

A cada dia crescem as manifestações contrárias à realização das Olimpíadas na data prevista

publicidade

O presidente da Federação Francesa de Atletismo (FFA), André Giraud, expressou firmemente neste domingo em declarações sua incompreensão diante da vontade do Comitê Olímpico Internacional (COI) de manter os Jogos de Tóquio-2020, apesar da pandemia do coronavírus. A Entidade pediu ao Comitê Olímpico Francês (CNOSF) que "tome uma posição" em relação ao assunto. "Não podemos admitir que o COI não escute o esporte olímpico número 1", afirmou, lembrando que o presidente da Federação Internacional de Atletismo (Iaaf), Sebastian Coe, afirmou na quinta-feira que seria possível adiar os Jogos de Tóquio, marcados para serem disputados entre 24 de julho e 9 de agosto.

"Todo o mundo esportivo coincide em dizer que os Jogos não poderão acontecer nas datas previstas", enfatizou Giraud, em referências às declarações das Federações de Atletismo dos Estados Unidos e da Espanha e das Federações de Natação americana e francesa, que se posicionaram a favor do adiamento das Olimpíadas nos últimos dias. "Contemplamos, se a crise estiver contida até maio, um adiamento dos Jogos para o outono (setembro-outubro). Mas o plano C seria um adiamento de seis meses ou um ano", defendeu o dirigente.

Além dos problemas atuais de logística e de salubridade para permitir que os atletas possam treinar em meio a toques de recolher e isolamento em diversos países do mundo, "como reunir 11.000 atletas em menos de quatro meses em uma Vila Olímpica?", questionou Giraud. "Os atletas estão um situação de estresse e precisamos tranquilizá-los. Não podemos esperar!", insistiu, dirigindo a palavra ao COI e ao Comitê Olímpico Francês.

O ministro da Saúde da França, Olivier Véran, afirmou neste domingo ao jornal Le Figaro que acredita ser complicado enviar atletas ao Japão em quatro meses. "Posso pedir a suspensão dos Jogos Olímpicos como ministro da Saúde? Não. Me vejo enviando atletas ao Japão ou pedindo para que se preparem em boas condições? A resposta também é não", declarou.

O COI defende atualmente a manutenção dos Jogos Olímpicos de Tóquio nas datas previstas, mas começou a consultar os Comitês Olímpicos Nacionais através de um questionário sobre o impacto da crise do coronavírus em sua preparação para o evento. 

 

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895