Atraso no voo tira Romildo Bolzan de reunião da semifinal na Conmebol
capa

Atraso no voo tira Romildo Bolzan de reunião da semifinal na Conmebol

Presidente do Grêmio participou do encontro preparatório para as decisões via teleconferência

Por
Correio do Povo

Grêmio não conseguiu comparecer devido a um atraso no voo, mas se fez presente via Internet

publicidade

A Conmebol reuniu nesta segunda-feira na sede, em Luque, no Paraguai, os presidentes de Boca Juniors, River Plate e Flamengo para acertar todos os detalhes referentes às duas partidas das semifinais. O presidente gremista Romildo Bolzan disse que não pôde comparecer ao encontro devido a atraso no voo que o levaria de Porto Alegre para São Paulo, onde faria conexão para Assunção.

Além dos cuidados operacionais, institucionais e de segurança, outro assunto tratado foi a final do dia 23 de novembro, no Estádio Nacional de Santiago do Chile. "É hora de projetar o espetáculo e a melhor imagem do futebol sul-americano no mundo", disse o presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez, que se referiu às semifinais como "as partidas sonhadas pelo público".

No encontro, foi anunciado que o horário da final única será às 17h30min. O a medida foi tomada para que a transmissão ocorra para mais de 100 países com um público potencial 1,5 bilhão de telespectadores. O campeão receberá 12 milhões de dólares e o vice 6 milhões de dólares. Ambos ainda receberão 25% da bilheteria do jogo.

Em 2018, o Grêmio participou do mesmo encontro e assinou junto com o Palmeiras, Boca Juniors e River Plate um documento "Fair Play" redigido pela entidade organizadora da Libertadores prometendo decisões limpas e sem nenhuma polêmica. Entretanto, os episódios na partida semifinal contra o River, quando o técnico Marcelo Gallardo passou instruções para os jogadores e foi até o vestiário no intervalo, mesmo suspenso, geraram indignação no Tricolor e reclamações contra a instituição que organiza o futebol sul-americano.

O jornal argentino Clarín lembrou o caso e afirmou que o fato do Grêmio não ter participado é uma indicação de que os protestos do clube contra a Conmebol continuam. O presidente Romildo Bolzan negou que a ausência tenha a ver com os problemas ocorridos em 2018.