Grêmio tem recorde de receita em 2019

Grêmio tem recorde de receita em 2019

Clube apresentou o balanço financeiro do ano passado com superávit pelo quarto ano seguido

Por
Rafael Peruzzo

Grêmio apresentou superávit mais uma vez


publicidade

O Grêmio teria muito a comemorar em termos financeiros, não fosse a pandemia do novo coronavírus, que vem causando estragos. O clube publicou nessa quinta-feira o balanço de 2019, com números altamente positivos, apresentando superávit pelo quarto ano consecutivo. A receita operacional do Tricolor teve um crescimento de 16,9% em comparação ao ano anterior e alcançou o valor recorde de R$ 420 milhões. 

O superávit chegou a R$ 22 milhões, ainda abaixo de 2018, quando o valor bateu nos R$ 54 milhões e foi o maior naquele ano entre todos os clubes da Série A do Campeonato Brasileiro, superando Flamengo e Palmeiras. Entre os anos de 2016 e 2019, o Grêmio conseguiu somar R$ 122 milhões de superávit. 

A dívida de curto prazo encerrou 2019 com um acumulado de R$ 126 milhões. Nos últimos quatro anos, houve uma redução de R$ 85 milhões. A partir da próxima segunda-feira, dia 20, o Conselho Deliberativo irá votar pela aprovação ou não dos demonstrativos financeiros. 

Com a impossibilidade de uma reunião no próprio Conselho devido à pandemia de coronavírus, os conselheiros utilizarão a tecnologia para realizar a votação. Desde o dia 4 deste mês, os documentos com os demonstrativos estão disponíveis na área destinada aos conselheiros no site do CD. Todos eles puderam enviar questionamentos e tirar dúvidas com o Conselho de Administração do clube. Esse procedimento foi encerrado na última quarta-feira.

Os 300 conselheiros, além do Conselho Consultivo, formado por 16 integrantes, poderão votar por meio de um aplicativo de celular, em uma ação inédita no clube. A tendência é que a aprovação tenha um alto número de votos e o resultado saia de forma bastante rápida.


Se nos quatro anos anteriores o Grêmio apresentou desempenho satisfatório nas finanças, em 2020 o quadro mudará drasticamente. A projeção para os próximos meses é de uma queda de R$ 28 milhões nas receitas.