Instabilidade custa caro ao Grêmio na Copa do Brasil

Instabilidade custa caro ao Grêmio na Copa do Brasil

Tricolor deixou de ganhar R$ 21 milhões

Rafael Peruzzo

André teve atuação sem brilho diante do Athletico-PR

publicidade

A instabilidade do time custou caro. Na temporada em que não vem conseguindo emplacar uma série de boas atuações, o Grêmio perdeu a vaga na final da Copa do Brasil e a premiação milionária proporcionada pela competição, acumulando prejuízos dentro e fora do campo. Somente pela passagem à final, receberia R$ 21 milhões.

A inconstância da equipe não é de hoje. No primeiro semestre, ela se mostrou ainda mais forte com as dificuldades na fase de grupos da Libertadores da América e no começo do Campeonato Brasileiro, quando o clube passou as cinco rodadas iniciais sem vitória e acumulou duas derrotas dentro da Arena, uma delas com os titulares. 

Na quarta-feira, o próprio técnico Renato Portaluppi admitiu que o Grêmio “não jogou quase nada” diante do Athletico Paranaense. Na semana anterior, o time fez uma de suas melhores partidas na conquista da vaga à semifinal da Libertadores contra o Palmeiras. “O Grêmio vem jogando bem depois da parada da Copa América, mas tem dias que nada dá certo”, diz o diretor de futebol Deco Nascimento.

Causou estranheza que após a eliminação na Arena da Baixada nenhum jogador deu entrevistas. Ontem, na chegada a Belo Horizonte, onde o Grêmio enfrenta o Cruzeiro no domingo, o fato se repetiu. “Estamos todos tristes por ter perdido a classificação, ainda mais que tínhamos a vantagem, não jogamos bem”, acrescentou Deco Nascimento. 

Com a saída da Copa do Brasil, o Grêmio terá praticamente um mês inteiro de dedicação exclusiva ao Campeonato Brasileiro. Os jogos contra o Flamengo pelas semifinais da Libertadores estão marcados para os dias 2 e 23 de outubro. “O calendário é muito duro, a gente disputa as três competições até onde é possível. Agora é focar na Libertadores e se recuperar no Campeonato Brasileiro”, finalizou o dirigente gremista. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895