Kannemann fala em tristeza e raiva por demissões de funcionários do Grêmio
capa

Kannemann fala em tristeza e raiva por demissões de funcionários do Grêmio

Zagueiro argentino deu entrevista coletiva forte nesta sexta

Por
Correio do Povo

Kannemann concedeu entrevista forte nesta sexta no Grêmio

publicidade

O zagueiro argentino Kannemann deu uma entrevista forte e contundente nesta sexta-feira sobre as demissões de funcionários do departamento de futebol do Grêmio, ocorridas nessa semana. O jogador falou em sentimento de tristeza e raiva pela saída dos profissionais "que fizeram muito pelo Grêmio". "Estou muito triste, muito chateado com o que aconteceu. Com a saída, e com o jeito como ocorreu a saída de pessoas que fizeram muito pelo Grêmio. Que estavam há 10, 15 anos no Grêmio. Sempre pensaram no clube, na camisa e em tentar fazer o melhor pelo Grêmio. É muito triste", afirmou. 

As declarações do jogador tricolor contrastam com a entrevista coletiva dada nessa quinta pelo presidente do clube, Romildo Bolzan, e pelo diretor-executivo, Klauss Câmara, que tentaram dar um "ar de normalidade" a um processo tratado como "readequação no departamento de futebol". "Dá raiva porque pessoas como elas têm que sair e outras, que não posso falar o mesmo, que não trabalham deste lado, mas do outro lado, que com as atitudes que tomam, não representam essa camisa. E isso vem acontecendo faz tempo. Não considero as mudanças normais, com pessoas que deram tanto pelo clube. Acontece. O clube vai continuar, mas eu não queria deixar passar por alto que isso que aconteceu e vem acontecendo há tempo", disse Kannemann.

Kannemann lembrou a dedicação e comprometimento que os profissionais demitidos tinham com o Tricolor. "Para conquistar títulos como viemos fazendo. Para manter o nível e brigar lá em cima, não é só trabalhar e dar o máximo ou se doar no dia a dia… Não é só cumprir o horário, mas botar o plus. As pessoas que foram embora, deram o plus. Eu fico triste quando pessoas assim saem e outras que não dão o plus continuam. Coisas que acontecem em vários clubes, mas não dá para deixar passar", declarou o zagueiro. 

Antes de terminar a coletiva, Kannemann voltou a falar sobre os motivos que o fizeram dar as declarações. "Venho aqui falar também do valor que as pessoas tiveram. As mudanças acontecem, mas eles mereciam algumas palavras e o reconhecimento pelo que fizeram no clube. Pelo ajuda que deram para nós nas conquistas. Pelo que eles brigaram por nós. Isso que estou fazendo aqui. Daqui para a frente, o clube continua. Não importam quem veste a camisa, deste lado daqui ou do outro lado. O clube continua. Só achei muito importante reconhecer o trabalho que essas pessoas fizeram", finalizou.

O Grêmio volta a treinar a partir das 15h30min. Conforme anunciado ainda na quinta-feira, não haverá mais entrevistas coletivas nesta sexta-feira.