Renato enaltece poder de recuperação: "Grêmio está vivíssimo no Brasileirão"
capa

Renato enaltece poder de recuperação: "Grêmio está vivíssimo no Brasileirão"

Treinador afirmou que nunca desistiu do campeonato e que título pode ser difícil, mas não é impossível

Por
Correio do Povo

Tricolor venceu o Cruzeiro por 4 a 1

publicidade

O técnico Renato Portaluppi celebrou a goleada do Grêmio contra o Cruzeiro neste domingo e viu o vitória como sinal de uma rápida reação após a eliminação da Copa do Brasil. O comandante elogoi a força mental e a postura da equipe para vencer um adversário forte, ainda que em crise. “Resultado muito importante. O grupo ainda está sentindo um pouco, mas tivemos um poder de recuperação muito bom. Não é fácil vir aqui e conseguir uma apresentação dessas com o resultado que tivemos na quarta. O Grêmio está vivíssimo no Brasileirão, pode sim lutar por muita coisa”, avaliou o ex-camisa 7.

O treinador ressaltou que o time nunca desistiu da competição, mas, por estar em três competições, teve de fazer opções na escalação. “Sou louco pra ganhar o Brasileiro. Está difícil este ano, mas não é impossível,ainda temos todo uma rodada no primeiro turno e depois todo o segundo”, comentou. Ele ainda ressaltou que o Tricolor poderia ter feito ainda mais gols pelo comportamento apresentado.

“Eu tirei o Michel e coloquei o Luan, então recuei o Jean Pyerre e ficamos apenas com um volante. Eu queria ir pra cima, porque nos comportamos muito bem na parte técnica e tática, e construímos várias situações de gol”, disse.  “O comportamento, se tratando principalmente depois da eliminação, foi ótimo”, completou.

Renato revelou também que explorou o momento ruim da Raposa na prelação.  conversei bastante com meu grupo, tínhamos que aproveitar a situação. O Rogério Ceni é um grande treinador, tem um grande grupo e uma grande torcida, mas ele tá chegando agora. Está colocando em prática a posse de bola, coisa que o Cruzeiro não tinha. Mesmo tendo ótimos jogadores, não é da noite pro dia que se absorve”, disse. 

Uma das táticas utilizadas foi a marcação forte, sem dar espaço para os adversários. “Falei aos meus jogadores que estaríamos na maior parte do tempo no campo de ataque, então era para marcarem sem fazer falta”, explicou. Questionado se clube voltou a apresentar o melhor futebol do Brasil, disse que não tocaria mais no assunto e que respeitava a opinião de todos, inclusive do Flamengo, “que tem uma seleção, mas o vem jogando assim nos últimos três, quatro meses”.