Coudet e direção divergem sobre necessidade de reforços para o Inter

Coudet e direção divergem sobre necessidade de reforços para o Inter

Ao contrário do treinador, dirigentes entendem que o grupo é bom e ressaltam o cuidado com a situação financeira do clube

Fabrício Falkowski

O mais recente duelo de ideias aconteceu após a vitória sobre o Atlético Goianiense, terça-feira

publicidade

Eduardo Coudet tem o apoio da torcida, a confiança dos dirigentes e a admiração da imprensa. Porém, seus reiterados discursos ressaltando o “grupo curto” e a necessidade de reforços, em um momento que o Inter atravessa uma gravíssima crise financeira, estão criando novos atritos dentro e fora do vestiário. O mais recente duelo de ideias aconteceu após a vitória sobre o Atlético Goianiense, terça-feira. 

Em resumo, Coudet afirma que o Inter não tem grupo suficiente para encarar três competições simultaneamente. A situação se agravou com as lesões. Na terça, o técnico chegou a clamar por uma união dos quatro candidatos à eleição para presidente do Inter para que eles, em consenso, autorizem a atual diretoria a fazer mais uma ou duas contratações. “É preciso que os candidatos se juntem, conversem e nos ajudem a reforçar o time agora”, enfatizou Coudet. 

Porém, as dificuldades financeiras são conhecidas por todos os postulantes à presidência. Além disso, os dirigentes avaliam que o grupo à disposição de Coudet está no nível dos melhores do Brasil, apenas um pouco abaixo de Flamengo e Atlético Mineiro. A chegada de mais algum reforço pode até acontecer, mas não é a tendência. 

“Eu jamais vou chegar aqui e reclamar do elenco, até porque o considero muito bom. Podíamos ter mais opções? Claro que podíamos, mas não temos. E não é porque eu não quero, ou porque o presidente não quer. Não temos porque não podemos”, diz o executivo de futebol, Rodrigo Caetano. 

Marcelo Medeiros evita entrar na discussão. Porém, lembra que o Inter foi um dos clubes que mais contratou, apesar do baixo investimento, e que o aproveitamento dos jovens deu frutos importantes nas últimas temporadas. “Nosso grupo é bom. Eu tenho a caneta, mas não sou irresponsável. Tenho que respeitar o momento do clube”, afirmou o presidente colorado, na quarta-feira.

A mais recente adição ao grupo é o meia Maurício, vindo do Cruzeiro. Trata-se de um jogador jovem, com passagens pelas seleções de base, que deverá ser aproveitado em breve. Contra o Coritiba, domingo, pelo Brasileirão, jogarão todos os titulares, com exceção de Thiago Galhardo, suspenso.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895