Inter apresenta na Câmara de Vereadores projeto Gigante para Sempre
capa

Inter apresenta na Câmara de Vereadores projeto Gigante para Sempre

Parlamentares debateram os entraves ainda existentes e as compensações para minimizar os impactos da obra na reunião conjunta das comissões de Saúde e Meio Ambiente

Por
Christian Bueller

Arquiteto Maurício Santos detalhou o projeto para os integrantes das comissões da Saúde e Meio Ambiente (Cosman) e de Urbanização, Transportes e Habitação (Cuthab)

publicidade

O Inter apresentou nesta terça-feira aos vereadores de Porto Alegre na Câmara Municipal, o projeto Gigante para Sempre, que prevê a construção de um complexo no entorno do Estádio Beira-Rio, bairro Praia de Belas. Os parlamentares debateram os entraves ainda existentes e as compensações para minimizar os impactos da obra na reunião conjunta das comissões de Saúde e Meio Ambiente (Cosman) e de Urbanização, Transportes e Habitação (Cuthab), no plenário Ana Terra.

A Câmara deverá analisar em regime de urgência o projeto que altera o regime de uso urbanístico e a altura para o empreendimento. Conforme a representante da Procuradoria-Geral do Município na Comissão de Análise Urbanística e Gerenciamento (Cauge), Eleonora Serralta, há uma exigência do Ministério Público para a realização de uma audiência pública. O acréscimo de uma compensação na área educacional está sendo proposta aos demais no protocolo de intenções que está sendo encaminhado aos vereadores para a análise do projeto de lei.

Segundo o vice-presidente de Negócios Estratégicos do Clube, João Pedro Lamana Paiva, a iniciativa, que inclui o Gigantinho, visa se tornar uma das referências do turismo da capital gaúcha. “A ideia nasceu em 2006. Veio o novo Beira-Rio e a Copa do Mundo, em 2014. Desde então, são três anos de trabalho, pensando na mobilidade da cidade”.

O arquiteto Maurício Santos detalhou o projeto, já aprovado na Cauge, ainda este ano. “Ao contrário do que muita gente diz, o projeto será desenvolvido somente na matrícula de propriedade do Inter que, ao todo, são 15 hectares. A área de intervenção será de 2,5 hectares”, explica.


Projeto inicial previa torres residenciais e comerciais ao lado do estádio Beira-Rio - Imagem: Hype Studio / Divulgação / CP Memória 

O projeto prevê a construção de duas torres, uma comercial, com 11 andares, e outra residencial, com 22 andares com acesso pela Avenida Fernandão. O empreendimento se divide em áreas de acesso privado, misto, como o caso de lojas, bares e restaurantes, e totalmente públicos, como a praça situada entre o estádio e as torres, voltada para a avenida Padre Cacique, o corredor de acesso ao trecho da Orla que se integrará a revitalização já em curso pela prefeitura e um mirante no alto da torre comercial, totalizando mais de 70% da área que foi doada ao clube e hoje legalmente pertence ao Internacional.

“Será um empreendimento imobiliário com interfaces vivas e acesso ao público de Porto Alegre e de quem vem de fora”, realçou Maurício.

Ainda outros benefícios públicos estão ligados a uma série de exigências em contrapartidas feitas pelo poder público aos empreendedores, como a construção de um ancoradouro para uma estação do Catamarã e marina pública, a reforma da Unidade de Saúde Santa Marta, melhorias no Asilo Padre Cacique, alargamento da Avenida José de Alencar, construção de ciclovia e bicicletários. “Há um vácuo entre o Centro e a zona sul que o Gigante para Sempre pretende ocupar”, conta.

Designado para representar o presidente do Inter Marcelo Medeiros, o ex-presidente Giovani Luiggi destacou que confia na agilidade dos parlamentares para que, respeitados os ajustes necessários e o processo legal, o projeto possa ser votado a fim de permitir que o clube possa dar continuidade à sua contribuição para a cidade. A proposta da reunião, presidida pelos vereadores Dr. Goulart (PTB) e André Carús (MDB), foi de Valter Nagelstein (MDB).