Inter lida com contestações às vésperas do Gre-Nal

Inter lida com contestações às vésperas do Gre-Nal

Miguel Ángel Ramirez mexer na formação do e precisa trabalhar estado anímico dos jogadores

Fabrício Falkowski

Edenilson, que começou no banco contra o Táchira, volta naturalmente ao time

publicidade

A delegação colorada desembarcou em Porto Alegre ontem à noite, após longa viagem desde a Venezuela. Na bagagem, além da inesperada e constrangedora derrota, de virada, para o Deportivo Táchira por 2 a 1, pela quarta rodada da fase classificatória da Libertadores da América, o Inter traz uma série de dúvidas e algumas contestações. Tudo isso apenas quatro dias antes do primeiro Gre-Nal decisivo do Campeonato Gaúcho, que será disputado neste domingo, no Beira-Rio.

Miguel Ángel Ramirez começa hoje a trabalhar o time colorado para o clássico. O primeiro passo será recuperar o estado físico dos jogadores, já que o cansaço foi eleito como um dos responsáveis pela derrota na Venezuela. O outro, segundo o próprio técnico, foram “erros pontuais” do time.

Em sua entrevista após o jogo contra o Táchira, o técnico negou que a equipe tenha sido apática, responsabilizando a queda no rendimento, principalmente no segundo tempo, pelo estado do gramado do estádio Pueblo Nuevo. De acordo com o treinador, “comeu as pernas” dos jogadores. “Quem não está bem das pernas, não está lúcido o suficiente para tomar as melhores decisões”, disse.

Além disso, Ramírez deve mexer na formação. Edenilson, Maurício e Rodinei, que começaram no banco contra o Táchira, voltam naturalmente ao time nos lugares de Nonato, Marcos Guilherme e Saravia. Taison, que não está inscrito no Gauchão, é o principal desfalque. Ele pode ser substituído por Carlos Palacios. Entretanto, não estão descartadas outras alterações, já que a atuação e, principalmente, a postura de alguns jogadores em campo deixaram a desejar e foram internamente criticadas. O zagueiro Zé Gabriel, por exemplo, é um deles.

Outro ponto que o Inter terá que trabalhar antes do Gre-Nal é o estado anímico dos jogadores. O trunfo é a volta ao BeiraRio onde o time colorado, além de vencer, goleou os seus últimos adversários. “Somos muito fortes dentro da nossa casa. Perdemos para o Táchira, mas o bom do futebol é que a cada três quatro dias dá para fazer tudo novo. Esse é um dia não para esquecer, mas para tirar as lições e dar a volta por cima”, afirmou Thiago Galhardo, ainda no estádio Pueblo Nuevo.

 

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895