Mano reforça a busca por "equilíbrio" ofensivo e almeja "identidade" no comando do Inter
patrocinado por

Mano reforça a busca por "equilíbrio" ofensivo e almeja "identidade" no comando do Inter

Treinador esteve na manhã desta sexta-feira no programa Ganhando o Jogo, da Rádio Guaíba

Correio do Povo

Treinador abriu o jogo sobre diversos temas

publicidade

Mano Menezes foi o convidado da vez no programa Ganhando o Jogo, da Rádio Guaíba, na manhã desta sexta-feira. Entre diversos assuntos, o técnico do Inter reforçou a importância de equilibrar o setor ofensivo. Porém, salientou que, mais do que uma ideia de jogo ou de focar apenas no resultado, o trabalho deve ser norteado por uma “identidade”.

“O resultado é parte importante, sim. Sem vitória, não vamos a lugar nenhum. O time não se desenvolve e jogadores não crescem. Isso é ruim para desenvolver uma filosofia”, ponderou. “A busca de uma identidade é importante para direcionar as contratações e diminuir custos. A pior coisa é chegar no final do ano e vermos que não avançamos nada”.

As palavras de Mano foram intercaladas pelas ponderações do setor ofensivo. Nas últimas partidas, o Inter apresentou boa crianção, mas pecou na finalização. “Nossa primeira preocupação foi equilibrar os dois lados de ataque. Em uma proporção de 60 vezes que chegamos no ataque, 45 foi pelo lado esquerdo e 15 pelo direito. O adversário enxerga isso e gera dificuldade.Temos que atacar de forma equilibrada. A partir desse equilíbrio, temos que melhorar o acabamento e isso se faz com treino.”

O treinador fez duras críticas aos “rótulos” que hoje são idealizados aos trabalhos em campo. Na visão de Mano, na maioria das vezes, o que se vê não são as ideias de jogo, o que acaba se tornando ruim para o futebol. 

“Hoje se usa muito esse termo de 'propositivo'. Quero ver como seremos propositivos enfrentando equipes como Manchester City e Barcelona”, disse em um tom mais sarcástico. “O Inter tem como uma ideia da direção construir uma ideia de jogo. Um equipe deve saber se comportar em todas as situações”, completou.

Veja Também

Elenco e estratégia para o próximo confronto

Mano também deixou em aberto algumas pistas sobre a equipe que enfrenta o Corinthians no sábado. Diferentemente do que vinha sendo proposto nas últimas partidas, o treinador vem optando por deixar de lado o tradicional 4-1-4-1 para dar lugar ao 4-4-2 – pelo menos é o que as atividades realizadas no CT Parque Gigante ao longo da semana vem demonstrado. Nesse cenário, o Inter opta por deixar de lado centroavantes de imposição no ataque, como é o caso de Alemão e Wesley Moraes, e passa utilizar dois atacantes mais maleáveis, como Wanderson e David.

“Jogadores de beirada temos muitos que podem fazer como Pedro (Henrique), Wanderson, (Carlos) De Pena, Maurício. Todos podem fazer essa função. Nesse quesito, alguém precisa fazer um movimento de ruptura para dar profundidade. O que menos fazem isso, até por questões de características, é o Wesley (Moraes) ou até mesmo o (Matheus) Cadorini, que são mais centroavantes”, explicou.

O treinador também foi perguntado sobre alguns jogadores em específico, como foi o caso de Rodrigo Dourado, que reapareceu na disputa contra Gabriel, e o próprio Wesley Moraes, que chegou com a pompa de uma contratação da Europa, mas perdeu espaço para Alemão. Na disputa de meio campo, Mano ponderou sobre as características dos dois volantes. Gabriel ganha em intensidade na retomada de bola enquanto Dourado fortalece o setor ofensivo do Inter, principalmente em jogadas aéreas. 

“Se criou na modernidade que o jogo com bola daria tudo ao jogador. Pode dar certo em atletas que já estão no mais alto nível, mas e o que temos que aprimorar? Isso é trabalho específico de fundamento”, disse sobre a ineficiência de Wesley nas últimas partidas.

Sobre a seca de títulos, o comandante da casamata disse ser mais complicado retomar os bons momentos em um campeonato de pontos corridos, como é o Brasileirão. “Não é impossível, mas as chances aumentam quando você disputa um torneio como é o caso da Sul-Americana. Depois da fase de grupo, todo mundo está em pé de igualdade”.


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895