Odair lamenta perda de intensidade, mas acredita que Inter merecia vitória no clássico
capa

Odair lamenta perda de intensidade, mas acredita que Inter merecia vitória no clássico

Técnico disse que Grêmio deveria comemorar o ponto somado no Beira-Rio

Por
Correio do Povo

Odair acredita que o Inter foi melhor no Gre-Nal

publicidade

Após o empate em 1 a 1 no Gre-Nal, válido pela 11ª rodada do Brasileirão, o técnico do Inter, Odair Hellmann, afirmou, em entrevista coletiva, que seu time não teve melhor sorte no clássico porque perdeu a intensidade apresentada no primeiro tempo da partida. 

"O que aconteceu é que tivemos cinco, seis jogadores com algumas dificuldades. O Klaus entrou e estava há muito tempo sem ir para os jogos. O Lindoso estava indo para o seu segundo jogo consecutivo. Ainda tínhamos o Nathanael que está adquirindo ritmo para atuar. O Wellington Silva também sentiu o ritmo da partida. Enfim, conseguimos fazer uma marcação no primeiro tempo, mas depois ela caiu no segundo e perdemos a nossa intensidade. A partir daí, o Grêmio teve alguma facilidade para trocar passes, mas não criou nada. O gol foi um cruzamento para o Luan que conseguiu cabecear", resumiu Odair. 

Odair explicou que optou por começar o jogo com Guilherme Parede e com Wellington Silva porque precisava de dois jogadores com velocidade e amplitude. "Isso aconteceu no primeiro tempo, quando fizemos o primeiro gol e tivemos a chance de fazer o segundo. Na etapa complementar, tivemos algumas dificuldades, até porque não conseguimos manter a intensidade de antes, quando tínhamos o domínio do jogo. Ficamos sem transição, ficando longe do gol adversário", explicou. "Agora, se tivesse uma vitória, ela seria nossa. Quem tem que comemorar este ponto é o Grêmio", acrescentou. 

Ao ser questionado sobre a escalação, em sua maioria composta por reservas, Odair disse que não teria como repetir o time que eliminou o Palmeiras na Copa do Brasil. "Se eu repito o time hoje, ele não tem o nível de intensidade na quarta-feira e ainda corro o risco de perder jogadores. São escolhas. Não temos certeza de nada. Tem a parte médica, a parte de fisiologia e tem planejamento. Existem jogadores que não poderiam jogar, não foi porque eu não quis. A melhor medida é sempre colocar um time forte e que esteja 100%", argumentou.