Recomendação de cartão vermelho para Rodinei, do Inter, partiu do VAR

Recomendação de cartão vermelho para Rodinei, do Inter, partiu do VAR

Ao analisar lance, árbitro Raphael Claus alegou ao vídeo que pisão não foi intencional, no entanto, VAR recomendou análise no monitor

Correio do Povo / Rádio Guaíba

Arbitragem foi "polêmica" no Maracanã

publicidade

*Com informações do repórter Cristiano Silva, da Rádio Guaíba

Áudios exclusivos obtidos pelo repórter Cristiano Silva, da Rádio Guaíba, revelam que a recomendação para o cartão vermelho do lateral-direito Rodinei, do Inter, pelo pisão em Filipe Luís, do Flamengo, partiu do árbitro de vídeo, Rodrigo Guarizo, na "decisão" do Brasileirão no último domingo, no Maracanã. A expulsão do jogador causou revolta nos dirigentes colorados e fez com que o presidente Alessandro Barcellos fosse ate à sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), nesta segunda-feira, ouvir a comunicação entre os árbitros da partida. 

A transcrição das conversas mostra que no momento do lance, o juiz de campo, Raphael Claus, afirma: "Não foi intencional, não foi intencional". O raciocínio do árbitro ganhou o coro do árbitro assistente, Marcelo Van Gasse, que sugeriu: "Então dá só um amarelinho, não tem que dar vermelho". No entanto, o árbitro de vídeo, Rodrigo Guarizo, chamou Claus para analisar o lance no monitor entendendo que a entrada era para cartão vermelho. Deste modo, o árbitro analisou o pisão e se convenceu do vermelho. 

De acordo com o repórter da Guaíba, durante o encontro entre membros da direção colorada na CBF, o chefe da Comissão Nacional de Arbitragem, Leonardo Gaciba, explicou que o lance era para um "cartão laranja". Segundo ele, o vermelho não é recomendado neste tipo de lance, mas é aceitável. 

No campo, o Colorado ainda sonha com o título do Brasileirão. Para isso, precisa vencer o Corinthians, no Beira-Rio, e torcer para que o Flamengo não supere o São Paulo, no Morumbi. Ambas as partidas ocorrem às 21h30min, na quinta-feira. 

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895