Morre em São Paulo, aos 101 anos, Alberto Dualib, ex-presidente do Corinthians
patrocinado por

Morre em São Paulo, aos 101 anos, Alberto Dualib, ex-presidente do Corinthians

Ele estava internado desde o dia 13 de junho, em São Paulo. A causa do falecimento não foi divulgada

AE

Dualib foi presidente do Corinthians entre 1993 e 2007

publicidade

Alberto Dualib, ex-presidente do Corinthians, morreu no início da madrugada desta quarta-feira. A informação foi dada no primeiro momento por Andrés Sanchez, também ex-presidente corintiano, e confirmada pelo clube em seu site oficial. Dualib, de 101 anos, estava internado desde o dia 13 de junho no Hospital Santa Catarina, em São Paulo. A causa da morte não foi divulgada.

"Infelizmente hoje (quarta-feira) nos deixou um grande corintiano que muitos reclamam mas foi um grande presidente. Vá com Deus amigo e sabemos que sempre olhará pelo Corinthians. Todos meus sentimentos aos amigos e familiares", escreveu Andrés Sanchez nas redes sociais.

Além de diretor por vários anos, Dualib foi presidente do Corinthians entre 1993 e 2007, renunciando ao cargo durante um processo de impeachment, motivado pelos problemas com a MSI (Media Sports Investment), que comandava o futebol, poucos meses antes do time cair para a Série B do Campeonato Brasileiro. Investigado pelo Ministério Público, foi excluído do quadro de sócios do clube em 2008.

Veja Também

Sob sua direção, o Corinthians foi campeão cinco vezes do Campeonato Paulista (1995, 1997, 1999, 2001 e 2003), três vezes do Brasileirão (1998, 1999 e 2005), duas da Copa do Brasil (1995 e 2002), além do Torneio Rio-São Paulo (2002) e do Mundial de Clubes da Fifa (2000).

Por outro lado, é apontado como um dos responsáveis pela crise que resultou no rebaixamento na temporada 2007, o único da centenária história do clube.

O final de sua passagem foi marcado por escândalos financeiros. Em 2007, com o fim do acordo com a MSI, o cartola passou a ser investigado por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Dualib e outros membros da diretoria do Corinthians teriam desviado R$ 1,4 milhão, de acordo com notas fiscais frias emitidas entre 2001 e 2007, até R$ 5,4 milhões (valor estimado pelo Ministério Público com base no relato de testemunhas).

O presidente renunciou diante da articulação de um processo de impeachment. No ano seguinte à renúncia, Dualib teve seu nome excluído do quadro de sócios. Em 2010, Alberto Dualib foi condenado por estelionato a três anos e nove meses de reclusão, em regime aberto, na Justiça Estadual de São Paulo. A pena foi substituída por prestação de serviços à comunidade.

Oito anos depois, foi reconhecida a extinção de sua punibilidade por causa da prescrição da pena. Isso abriu a possibilidade de retorno ao quadro de sócios do clube. Em maio de 2019, o Conselho de Orientação do Corinthians (Cori) recomendou o retorno do ex-dirigente ao quadro associativo. Mas o assunto deixou de ser pauta no Conselho Deliberativo e o retorno não foi votado.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895