Peruanos voltam a Porto Alegre 11 mil quilômetros depois

Peruanos voltam a Porto Alegre 11 mil quilômetros depois

Grupo de amigos começou na Capital viagem que tem acompanhado a seleção do Peru durante a Copa América

Carlos Corrêa

Alejos quer ver Paolo Guerrero na finalíssima do torneio

publicidade

Há pouco mais de 15 dias, na véspera do primeiro jogo válido pela Copa América em Porto Alegre, dezenas de peruanos reuniram-se em frente ao hotel onde estava a seleção do Peru para fazer um bandeiraço e saudar os jogadores. Entre os torcedores estava o empresário Arlin Alejos. Morador de Buenos Aires, ele havia gasto cerca de R$ 330 mil na compra de uma van para, na companhia de 18 amigos, cruzar o Brasil acompanhando a equipe. A confiança era grande e já naquela ocasião, contra a maioria das apostas, Alejos acreditava na possibilidade de título.

Só que, para a surpresa de muitos, o Peru eliminou o favorito Uruguai nas quartas de final e agora está de volta a Porto Alegre, agora para brigar com os chilenos por uma vaga na final, nesta quarta-feira, às 21h30min, na Arena do Grêmio. “Nunca perdemos a confiança, sempre mantivemos. Mesmo quando perdemos de 5 a 0 para o Brasil. Nós jamais abandonamos a seleção”, assegura.

Ao longo das duas semanas pelas estradas do Brasil, a trupe do empresário cruzou mais de 11 mil quilômetros. Entre os lugares preferidos da viagem, Cabo Frio, no Rio de Janeiro, e Salvador, na Bahia. “Foi uma coisa maravilhosa. Às vezes nos desviávamos um pouco do caminho, todos cantando pela seleção”, descreve Alejos, ainda um tanto surpreso com a diferença de temperatura em Porto Alegre em pouco mais de duas semanas. “Pensamos em vir de camiseta, como da outra vez, mas não, tivemos que colocar nossos casacos”, diverte-se.

Da mesma forma que a confiança no título permanece inalterada, a crença de que o grande protagonista da conquista será Paolo Guerrero segue a mesma. “Guerrero, sem dúvida. Paolo Guerrero até a Copa do Mundo no Catar”, prevê Alejos, que também aposta em uma final diante não dos brasileiros, mas sim, dos argentinos. Com vitória peruana, é claro: 2 a 1.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895