Prefeitura de SP assina concessão do Pacaembu, que deve receber menos futebol
capa

Prefeitura de SP assina concessão do Pacaembu, que deve receber menos futebol

As obras devem começar em 30 dias

Por
AE

As obras devem começar em 30 dias

publicidade

O prefeito Bruno Covas assinará nesta segunda-feira o contrato de concessão do Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, o Pacaembu. O complexo esportivo, composto por uma piscina olímpica, duas quadras de tênis e um ginásio poliesportivo, além do campo, passará a ser administrado pelo Consórcio Patrimônio SP, que arrendou o espaço pelos próximos 35 anos.

No último dia 9, o consórcio depositou R$ 79,2 milhões pela outorga. Os R$ 32 milhões restantes serão pagos dentro do período de concessão. As obras de modernização do Pacaembu começam em trinta dias. Uma das principais alterações no tradicional palco esportivo da cidade é a demolição do tobogã, arquibancada inaugurada no início da década de 1970. No seu lugar será erguido um prédio de cinco andares, com 44.000 metros quadrados de área construída. A Praça Charles Müller e o Museu do Futebol ficaram de fora da concessão.

Após a reforma, a intenção do consórcio é diminuir a realização de jogos de futebol - serão 15 por ano nos planos do consórcio. Em 2019, já foram 46 partidas, a maioria do futebol feminino. Por outro lado, o Pacaembu vai receber casamentos, apresentações musicais, festas infantis e lançamentos de marcas. Apesar da assinatura, a negociação sofre questionamento na Justiça.

A Associação Viva Pacaembu abriu uma ação pedindo a análise da demolição do tobogã pelo Ministério Público de São Paulo e os órgãos de conservação do patrimônio público. O tobogã é tombado juntamente com o estádio. A decisão pode suspender o processo por 120 dias.