Infantino elogia estrutura russa e aposta em Copa com controle rígido no doping

Infantino elogia estrutura russa e aposta em Copa com controle rígido no doping

Presidente da Fifa acredita que Rússia vai surpreender a todos durante a competição

AE

Infantino elogia estrutura russa e aposta em Copa com controle rígido no doping

publicidade

O presidente da Fifa, o suíço Gianni Infantino, concedeu entrevista coletiva nesta segunda-feira, em Zurique, na Suíça, e falou basicamente sobre três assuntos relacionados à Copa do Mundo da Rússia: infraestrutura para receber os torcedores, a preocupação com o doping e a expectativa em relação à estreia do Árbitro Assistente de Vídeo (VAR, na sigla em inglês) na competição. "Acredito que o árbitro de vídeo funcionará. As estatísticas são muito claras em relação a esse assunto. Sem o VAR há um erro a cada três partidas. E uma a cada 19 com a presença do VAR", afirmou.

Em relação aos preparativos para receber o principal evento do futebol, o mandatário da Fifa acredita que a Rússia surpreenderá a todos. "Nunca antes havia visto um país fazer tanto: haverá transporte público grátis, há muito entusiasmo, a estrutura é muito boa. Nunca tinha me sentido tão relaxado com a organização. Se compararmos com outros eventos do passado, realmente estou confiante", afirmou.

Nos últimos anos, a Rússia tem sido destaque nos noticiários esportivos por conta do escândalo de doping. Devido às acusações, a equipe de atletismo não pôde participar dos Jogos Olímpicos do Rio-2016. Também, para disputar os Jogos de Inverno de Pyeongchang-2018, os atletas competiram com uma bandeira neutra.

Em relação ao futebol, Gianni Infantino acredita que não haverá problemas. "Todos os passos da Fifa são dados em comum acordo com a Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês). Todos os jogadores foram submetidos a análises de sangue e de urina. Não houve intervenção de nenhum russo e de ninguém fora da Rússia. Estamos fazendo tudo com uma atenção a mais por conta desse passado".

Guerrero Livre

Ao falar sobre doping, o presidente da Fifa se mostrou surpreso com a repercussão que a suspensão de Guerrero teve no mundo do futebol. Gianni Infantino destacou que além da seleção peruana, os capitães de diversas equipes protestaram a favor do centroavante do Flamengo.

Depois de ser suspenso na Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) com uma pena de 14 meses, que o deixaria fora da Copa do Mundo, Guerrero conseguiu o efeito suspensivo no Tribunal Federal da Suíça. "O sistema existe para proteger o direito de todos. Soubemos da decisão do Tribunal e respeitamos", disse.

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895