Cerca de 5 milhões de empregos estão ameaçados pela 4ª revolução industrial

Cerca de 5 milhões de empregos estão ameaçados pela 4ª revolução industrial

Fenômeno é impulsionado pela digitalização e pela impressão em 3D

AFP

Fenômeno é impulsionado pela digitalização e pela impressão em 3D

publicidade

A quarta revolução industrial, impulsionada pela digitalização e pela impressão em 3D, resultará na supressão de 5 milhões de empregos em cinco anos nas maiores economias mundiais. O número consta em relatório do Fórum Econômico Mundial (WEF) divulgado nessa segunda-feira.

Esses fenômenos provocarão "grandes perturbações não só nos modelos empresariais como também no mercado de trabalho durante os próximos cinco anos", afirma o WEF, organizador do Fórum de Davos. O evento começará na próxima quarta-feira nesta cidade dos Alpes suíços.

A quarta revolução industrial transformará a economia mediante a combinação de diversos fenômenos já existentes, como a internet das coisas e o Big Data. A primeira revolução industrial foi desencadeada pela generalização da máquina a vapor, a segunda pela eletricidade e redes de montagem e a terceira pela eletrônica e pela robótica.

Entre os países estudados estão Estados Unidos, Alemanha, França, China e Brasil. "Sem ações urgentes e focadas para gerenciar essa transição a meio prazo e criar uma mão de obra competente para o futuro, os governos terão que enfrentar um aumento constante do desemprego assim como um agravamento das desigualdades", explica Klaus Schweb, presidente e fundador do WEF, citado no comunicado.

Azeite gaúcho é destaque global

Agroindústria de Viamão recebe no Japão título de melhor blend, entre outros prêmios

Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895