Cesta básica de Porto Alegre cai, mas segue como a mais cara do país em outubro

Cesta básica de Porto Alegre cai, mas segue como a mais cara do país em outubro

Trabalhador que recebe um salário mínimo precisa de, em média, 123 horas de trabalho para comprar os alimentos fundamentais

Correio do Povo

Batata é um dos produtos que ficaram mais caros no mês de janeiro

publicidade

O preço da cesta básica de Porto Alegre foi calculado em R$ 739,21, e segue sendo a capital com o custo mais alto destes alimentos no Brasil. Em outubro, índice registrou uma queda de 0,34% no preço geral dos alimentos na comparação com o mês anterior. Os dados são da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos de outubro de 2023, realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Porto Alegre foi a cidade onde o conjunto dos alimentos básicos apresentou o maior custo, seguida de perto por Florianópolis (R$ 738,77) e São Paulo (R$ 738,13). No mês em questão, os alimentos que mais subiram de preço foram a batata (20,85%), o arroz (3,66%) e a banana (3,04%). Já os que ficaram mais baratos foram leite (-4,90%), o óleo de soja (-4,52%) e o tomate (-2,71%). 

De janeiro a outubro de 2023, a cesta registrou recuo de 3,45%. Nove itens apresentaram queda: o óleo de soja (-31,10%), o café (-14,19%), a banana (-12,90%), a farinha de trigo (-12,03%), a batata (-11,35%), o leite (-3,45%), a carne (-3,06%), a manteiga (-2,60%) e o tomate (-2,20%). Em sentido contrário, quatro produtos ficaram mais caros: o arroz (14,47%), o feijão (7,63%), o açúcar (5,79%) e o pão (4,33%).

O preço da cesta básica permite calcular que um trabalhador que recebe um salário mínimo precisa de, em média, 123 horas e 12 minutos de trabalho para comprar os alimentos fundamentais. Hoje, este trabalhador usa 60,54% de seu salário para a compra dos alimentos básicos. O departamento estima que o ideal seria um salário mínimo de R$ 6.210,11, ou 4,6 vezes o salário mínimo atual de R$ 1.320, para adquirir os alimentos sem comprometer grande parte da renda.

Brasil

A queda de preço não foi exclusividade de porto alegre, visto que o valor do conjunto dos alimentos básicos diminuiu em 12 das 17 capitais onde o Dieese realiza a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos mensalmente. As quedas mais importantes ocorreram em Natal (-2,82%), Recife (-2,30%) e Brasília (- 2,18%). As altas foram registradas em Fortaleza (1,32%), Campo Grande (1,08%), Goiânia (0,81%), São Paulo (0,46%) e Rio de Janeiro (0,17%).


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895