Com 575 vagas, abril é o pior mês do ano na geração de emprego no RS

Com 575 vagas, abril é o pior mês do ano na geração de emprego no RS

De acordo com o Caged, o saldo acumulado no RS é de 74 mil postos de trabalho

Correio do Povo

De acordo com o Caged, o saldo acumulado no RS é de 74 mil postos de trabalho

publicidade

O Rio Grande do Sul teve seu pior resultado mensal deste ano na criação de empregos formais. De acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), divulgados nesta quarta-feira, houve a criação de 575 vagas formais no mês de abril. O saldo é o menor desde dezembro do ano passado quando o acumulado mensal foi negativo, com -2.122 vagas. Ante ao mês anterior, março, a redução foi de 16.513 vagas. O saldo acumulado do ano no RS é de 74 mil postos de trabalho, o quinto maior do país e o último no ranking da região Sul.

Os dados de janeiro a abril de 2021 mostram que houve a criação de 438.011 postos de trabalho no RS, enquanto 363.993 foram fechados. Uma variação relativa de 2,93%. O indíce fica próximo ao nacional: de 2,43%.

Veja Também

Em abril. o Brasil criou 120.935 postos de trabalho com carteira assinada. Apesar do saldo positivo, ele também é o menor desde dezembro de 2020, quando o índice ficou em -190.631. O destaque foi para o setor de serviços, que gerou 57.610 postos de trabalho, tendo admitido, ao longo do mês, 614.873 pessoas, e demitido 557.263.

Com o resultado, o estoque de empregos formais no país (quantidade total de vínculos celetistas ativos) chegou a 40.320.857 – o que representa uma variação positiva de 0,30% sobre os 40.199.922 registrados em março.

Em nível nacional, o salário médio de admissão, em abril, foi calculado em R$ 1.855,52 – valor R$ 46,02 (2,54%) acima da média registrada em março, que foi de R$ 1.802,65.

Todas as regiões do país tiveram saldos positivos na geração de emprego. Das 27 unidades federativas, 23 contabilizaram mais contratações que demissões.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895