Menor resultado desde o Plano Real, prévia da inflação tem alta de 0,22% em fevereiro

Menor resultado desde o Plano Real, prévia da inflação tem alta de 0,22% em fevereiro

Porto Alegre teve o terceiro maior índice do pais em fevereiro

Por
AE e Correio do Povo

Com o resultado agora anunciado, o IPCA-15 acumulou um aumento de 0,93% no ano de 2020


publicidade

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) registrou alta de 0,22% em fevereiro, após ter avançado 0,71% em janeiro, informou nesta quinta-feira, 20, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa foi o menor resultado para o mês desde o início do Plano Real. No mês de fevereiro de 2019, o IPCA-15 tinha sido de 0,34%. Como consequência, a taxa acumulada em 12 meses passou de 4,34% em janeiro para 4,21% em fevereiro, informou o IBGE. Com o resultado agora anunciado, o IPCA-15 acumulou um aumento de 0,93% no ano de 2020.

De acordo com o IBGE, as menores variações vieram dos grupos Vestuário (-0,83%) e Saúde e cuidados pessoais (-0,29%), ambos com impacto de -0,04 p.p. no índice do mês. Além disso, o grupo Alimentação e bebidas (-0,10%) também registrou variação negativa, contribuindo com -0,02 p.p. O destaque entre as altas foi a Educação, que apresentou tanto a maior variação (3,61%) quanto o maior impacto (0,23 p.p.) no IPCA-15 de fevereiro, seguida pelos Transportes (0,20%). Os demais grupos ficaram entre o 0,02% de Comunicação e o 0,31% de Despesas pessoais.

 

Porto Alegre

Porto Alegre teve a terceira maior alta do pais em fevereiro, com 0,38%, ficando atrás apenas de Fortaleza (0,48%) e Belo Horizonte (0,42%). A capital gaúcha tem variação de 0,98% no ano, e 4,50% nos últimos 12 meses. 


Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados no período de 15 de janeiro a 11 de fevereiro de 2020 (referência) e comparados com aqueles vigentes de 12 de dezembro de 2019 a 14 de janeiro de 2020 (base). O indicador refere-se às famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica.