Prévia da inflação em fevereiro aumenta em relação a janeiro e registra taxa de 0,34%, diz IBGE

Prévia da inflação em fevereiro aumenta em relação a janeiro e registra taxa de 0,34%, diz IBGE

Número, contudo, é o menor para o mês desde o Plano Real, implantado em 1994

Por
Correio do Povo

Grupo de itens de educação teve a maior inflação em nível nacional 3,52%. Em Porto Alegre, valor é de 4,24%


publicidade

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15), que mede a prévia da inflação oficial, registrou uma taxa de 0,34% em fevereiro deste ano, valor superior ao registrado em janeiro deste ano (0,3%). Contudo, o número é o menor para o mês desde o Plano Real, implantado em 1994. O dado foi divulgado nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Porto Alegre teve alta de 0,10%, a terceira menor entre as regiões analisadas. O maior valor foi encontrado em Belém, no Pará (0,63). 

Ao todo, são estudadas 11 áreas urbanas: regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, além do Distrito Federal e do município de Goiânia. Com a prévia de fevereiro, as taxas estão acomuladas em 0,64% no ano e de 3,73% em 12 meses. Atualmente a população-objetivo do do IPCA-15 abrange as famílias com rendimentos de 1 a 40 salários mínimos, qualquer que seja. Ele difere do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apenas no período de coleta que abrange, em geral, do dia 16 do mês anterior ao 15 do mês de referência e na abrangência geográfica.

Educação sobe e gera maior impacto 

Os reajustes das mensalidades escolares elevaram em 3,52% os gastos das famílias brasileiras com educação em fevereiro. O grupo Educação foi o de maior pressão para a inflação do mês, uma contribuição de 0,17 ponto porcentual. As mensalidades dos cursos regulares subiram 4,60%, item responsável pelo maior impacto individual no IPCA-15 do mês, o equivalente a 0,15 ponto porcentual. Os cursos diversos aumentaram, em média, 3,16%, com reajustes entre 1,56% em Brasília e 4,03% na região metropolitana de Curitiba.

Em contrapartida, o grupo Transportes teve uma queda de 0,46% e gerou maior impacto negativo sobre o IPCA-15 de fevereiro, -0,09%. Segundo o IBGE, a gasolina voltou a ficar mais barata em fevereiro, ajudando a aliviar a inflação medida pelo IPCA-15. A gasolina ficou 2,43% mais barata, o terceiro mês consecutivo de quedas. O item registrou a maior contribuição individual negativa do mês, -0,11 porcentual. Também ficaram mais baratos o etanol (-1,31%) e o óleo diesel (-0,15%). Embora os combustíveis tenham recuado 2,05% em fevereiro, o gás veicular subiu 3,21%, puxado pela alta na região metropolitana de São Paulo (8,27%).

 

Brasileiros esperam inflação de 4,9% nos próximos 12 meses, diz FGV

Os consumidores brasileiros acreditam que a inflação no país ficará em 4,9% nos próximos 12 meses, segundo pesquisa feita em fevereiro deste ano pela Fundação Getulio Vargas (FGV). A taxa é inferior aos 5% previstos pelos consumidores na pesquisa de janeiro e é a menor desde julho de 2007 (4,8%). Segundo a economista Viviane Seda Bittencourt, da FGV, a estimativa de inflação pelos consumidores vem caindo nos últimos quatro meses, ou seja, desde a conclusão da eleição.


Os consumidores estão mais otimistas em relação à situação econômica do país e à redução das incertezas. A expectativa é que esse resultado se torne estável ou tenha pequenas variações. A inflação oficial, medida pelo IPCA, do IBGE, acumula taxa de 3,78% em 12 meses.