Taxa de desemprego segue maior entre as mulheres, mostra IBGE

Taxa de desemprego segue maior entre as mulheres, mostra IBGE

Pessoas pretas e com o ensino médio incompleto também têm maior dificuldade para ingressar no mercado de trabalho

R7

publicidade

A taxa de desocupação no Brasil segue maior para as mulheres ao longo do primeiro trimestre de 2023. No período, 10,8% das pessoas do sexo feminino estavam desempregadas, contra 7,2% entre os homens. A diferença se mantém em todas as regiões do Brasil, segundo dados revelados nesta quinta-feira pela PNAD Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), do IBGE. 

Também figuram com taxas de desemprego acima da média nacional (8,8%) as pessoas pretas e aquelas com o ensino médio incompleto. Quando analisada a taxa de desocupação por cor ou raça, a dos que se declararam brancos (6,8%) aparece abaixo da média nacional, enquanto a dos pretos (11,3%) e a dos pardos (10,1%) ficaram acima.

No primeiro trimestre de 2012, início da série histórica da pesquisa, a taxa média foi estimada em 8%, e no recorte por cor ou raça havia os seguintes percentuais: a dos pretos correspondia a 9,7%; a dos pardos a 9,2% e a dos brancos era de 6,7%. Já na análise por nível de instrução, a taxa de desocupação para as pessoas com ensino médio incompleto era de 15,2% nos primeiros três meses deste ano. Para os que tinham superior incompleto, a taxa foi estimada em 9,2%, mais que o dobro da verificada para aqueles que completaram o nível superior (4,5%).

Para Alessandra Brito, analista da pesquisa, maior taxa de desocupação entre mulheres e entre pessoas de cor preta e parda é um padrão estrutural do Brasil. “Essas populações também estão sobrerrepresentadas na informalidade, se comparadas aos homens e às pessoas de cor branca”, destaca ela. 


Empresa familiar do RS ganha título de vinícola do ano

Vita Eterna de Pinto Bandeira usa processo artesanal para produzir

Mais Lidas





Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895