Anvisa: não há dados para suspensão da vacinação em adolescentes

Anvisa: não há dados para suspensão da vacinação em adolescentes

Ministério da Saúde suspendeu a recomendação para vacinar jovens entre 12 e 17 anos

Correio do Povo

Para Anvisa, não há necessidade de suspender vacinação em adolescentes

publicidade

Em nota publicada no fim da tarde desta quinta-feira, a Anvisa se posicionou contrária à suspensão da aplicação da vacina contra a Covid-19 em adolescentes. O órgão ressaltou que os dados disponíveis até agora não “demandem alterações nas condições aprovadas para a vacina”. Dentre os imunizantes contra o coronavírus aplicados no Brasil, o único autorizado para ser administrado em jovens entre 12 e 17 anos é o da Pfizer. 

A Anvisa também confirmou que investiga uma morte de adolescente de 16 anos, ocorrida no último dia 2. A jovem recebeu aplicação da vacina da Pfizer e teve uma reação grave. “No momento, não há uma relação causal definida entre este caso e a administração da vacina”, explicou o órgão.

Veja Também

A Anvisa irá entrar em contato com a Pfizer, além de socieidades científicas para tratar do caso. “A Anvisa ressalta que todas as vacinas autorizadas e distribuídas no Brasil estão sendo monitoradas continuamente pela vigilância diária das notificações de suspeitas de eventos adversos”, ressalta a nota.

“Os dados gerados com o avançar do processo vacinal em larga escala são cuidadosamente analisados em conjunto como outras autoridades de saúde. Até o momento, os achados apontam para a manutenção da relação benefício versus o risco para todas as vacinas, ou seja, os benefícios da vacinação excedem significativamente os seus potenciais riscos”, conclui.

Casos de problemas cardíacos são muito raros

O órgão também se manifestou sobre casos de miocardite e pericadite notificados após a aplicação das duas doses. Segundo a agência, são raríssimos: 16 para cada 1 milhão. “Os casos ocorreram com mais frequência em homens mais jovens, após a segunda dose da vacina e em até 14 dias após a vacinação. Foi observado que, geralmente, são casos leves e os indivíduos tendem a se recuperar dentro de um curto período após o tratamento padrão e repouso. Não houve relatos de casos de infarto. Os alertas sobre potenciais ocorrências de miocardites e pericardites foram incluídos em bula, após as ações de monitoramento realizadas pela Anvisa.”

Porto Alegre e RS

A suspensão da vacinação de adolescentes se deu após nota informativa do Ministério da Saúde, publicada na noite dessa quarta-feira. Em suas justificativas, a pasta citou o óbito da adolescente. A Secretaria Estadual da Saúde do RS confirmou que adolescentes que já receberam a primeira dose têm direito à segunda. Em Porto Alegre, a vacinação para adolescentes não será interrompida e, nesta sexta, jovens de 15 anos podem iniciar sua imunização contra o coronavírus.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895