Baixa procura pela primeira dose nas farmácias de Porto Alegre

Baixa procura pela primeira dose nas farmácias de Porto Alegre

Secretaria de Saúde da Capital diz que vacina da Astrazeneca tem sido equivocadamente rejeitada por parte do público prioritário

Gabriel Guedes

Procura pequena para vacina nas farmácias de Porto Alegre

publicidade

Além da continuidade de aplicação da segunda dose da Coronavac em Porto Alegre, também continuaram a ser aplicadas nesta segunda as primeiras doses da Astrazeneca/Fiocruz para o público com comorbidades, na faixa etária a partir de 33 anos, e idosos com 60 anos ou mais. Para estes, os locais de vacinação foram - além da tenda no shopping Bourbon Country e do drive-thru da PUCRS - as 33 unidades de saúde referência e também a rede de 20 farmácias credenciadas estiveram disponíveis. Mas mesmo com a ampla capilaridade no atendimento, a procura foi muito baixa, especialmente nos estabelecimentos farmacêuticos.

Em farmácias do bairro Bom Fim e do Centro Histórico, não havia filas. Optando por não se identificar, os responsáveis pelas lojas parceiras relataram baixa procura. Os poucos que buscaram o serviço, alguns não conseguiram se vacinar. Foi o caso da cuidadora de idosos Gisele Cristine Souza, que trabalha em Porto Alegre e mora em Viamão. "Me indicaram a farmácia aqui para eu me vacinar. Mas faltou documento", lamentava. Ela tinha procurado pela manhã um dos pontos disponíveis na rua dos Andradas, no Centro Histórico.

A Secretaria de Saúde de Porto Alegre informa que tem remanejado constantemente as doses remanescentes das 21 mil disponibilizadas nestes locais, mas também alerta que a vacina da Astrazeneca tem sido equivocadamente rejeitada por parte do público prioritário, que teme reações adversas. O município tem 148 mil pessoas no grupo das comorbidades e apenas 63 mil, o que corresponde a 43%, haviam tomado a primeira dose.

As vacinas para primeira dose estarão disponíveis nas farmácias ainda nesta semana. Pessoas com comorbidades devem levar documento de identificação com CPF, comprovante de residência em Porto Alegre e atestado, laudo médico ou receita (com cópia) comprovando a comorbidade. Idosos com 60 anos ou mais devem apresentar identidade com CPF e comprovante de residência na capital. Gestantes e puérperas deverão aguardar chegada de novos lotes de vacinas Pfizer. Também deverão aguardar a chegada de novos lotes os profissionais de saúde, trabalhadores de áreas de apoio à saúde e os estudantes e estagiários de medicina.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895