Bancários realizam assembleia na próxima segunda-feira
capa

Bancários realizam assembleia na próxima segunda-feira

Categoria irá debater e orientar rumos da greve no Estado

Por
Correio do Povo

Greve já dura 25 dias no Estado

publicidade

Os bancários realizam, na próxima segunda-feira, uma assembleia para debater e organizar os próximos passos da greve, que já dura 25 dias, completados nesta sexta-feira. Ao todo, a paralisação afeta 305 agências que seguem fechadas na área do SindBancários, totalizando 1.032 em todo o Rio Grande do Sul. Encontro acontece no Clube do Comércio, no Centro de Porto Alegre, a partir das 17h.

Depois de uma nova proposta da Fenaban apresentada no início desta semana e rejeitada pelo Comando Nacional dos Bancários, os bancários intensificaram atos públicos em defesa de bancos em risco de privatização. Em frente à sede do Badesul, no Centro de Porto Alegre, a categoria realizou um ato de solidariedade aos trabalhadores do banco público de fomento, nesta sexta. Eles realizaram um abraço simbólico ao Badesul e seguiram em caminhada ao Palácio Piratini.

O presidente do SindBancários, Everton Gimenis, junto com uma comissão de diretores da Fetrafi-RS, representante dos funcionários do Badesul, foram hoje recebidos pela Chefe de Gabinete da Secretaria da Casa Civil, Cristiane Zinelle Ferreira Lohmann e pelo subchefe jurídico adjunto, Diego Pacheco.

Os bancários foram cobrar um posicionamento público do governo do Rio Grande do Sul e da diretoria do Badesul de defesa em relação às notícias veiculadas a respeito de problemas em operações financeiras do banco de fomento e ao seu descredenciamento junto ao BNDES. 

“O Badesul esteve descredenciado e não vimos nenhuma manifestação pública de defesa do banco nem pelo governo do Estado e nem pela diretoria do banco. Sabemos que um banco precisa de sua imagem totalmente limpa para realizar negócios e ajudar o estado a crescer e se desenvolver. A nossa greve continua fortalecida, com adesões espontâneas dos bancários. Vamos iniciar a próxima semana com uma assembleia para discutirmos os rumos no nosso movimento”, disse o presidente do SindBancários, Everton Gimenis.

A Fenaban ofereceu uma nova proposta na semana passada. Manteve os 7% de reajuste no piso e nas verbas salariais (auxílios e vales) e abono de R$ 3.500. Também quer que os bancários aceitem um compromisso de aceitarem um reajuste com aumento real de 0,5%, em 2017.