Bolsonaro promete atacar "opiniões distorcidas" sobre área ambiental
capa

Bolsonaro promete atacar "opiniões distorcidas" sobre área ambiental

Em cúpula do Mercosul, feita de modo virtual pela primeira vez, presidente também defendeu finalização rápida de acordo com a União Europeia

Por
R7

Bolsonaro deu declarações em cúpula virtual do Mercosul nesta quinta-feira


publicidade

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (2), na cúpula virtual do Mercosul, que entre as principais ações futuras de sua administração está a de desmentir informações negativas que têm sido divulgadas sobre a atuação do governo na área ambiental.

"Nosso governo dará prosseguimento ao diálogo com diferentes interlocutores para desfazer opiniões distorcidas sobre o Brasil e expor as ações que temos tomado em favor da proteção da floresta amazônica e do bem estar das populações indígenas", declarou.

O desmatamento da Amazônia e a forma como o Brasil combate a destruição da natureza são alvos de críticas de ambientalista e governos de todo o mundo e colocam em risco futuros acordos comerciais do país e do bloco.

Para Bolsonaro, que teve a seu lado durante a videoconferência o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, os "históricos acordos selados em 2019 com a União Europeia e a associação europeia de livre comércio" mostram que o bloco está "no caminho certo".

"Apelo a todos os presidentes para que, como eu mesmo fiz, instruam seus negociadores a fecharem os textos. Atuemos com o firme propósito de deixá-los prontos para assinatura neste semestre", pediu Bolsonaro.

Bolsonaro também afirmou que o Brasil está disposto a avançar em outras parcerias internacionais. "Queremos levar adiante as negociações abertas com Canadá, a Coreia, Cingapura e o Líbano, expandir os acordos vigentes com Israel e a Índia e abrir novas frentes na Ásia, e temos todo interesse em buscar tratativas com os países da América Central."

Segundo ele, o "Mercosul é nosso principal veículo para nossa inserção [nas negociações mundiais]".

A 56ª reunião de cúpula de chefes de Estado do Mercosul, bloco formado por Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, foi a primeira realizada de modo virutal

A presidência da cúpula estava a cargo do presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez. Nesta quinta ele passar o comando rotativo do bloco para o presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou.

Bolsonaro disse ainda que espera que a Venezuela, do presidente Nicolás Maduro, "retome o caminnho da liberdade" e criticou a não participação de Jeanine Áñez Chávez, da Bolívia, na cúpula. "Nesse mesmo espírito de valorização da democracia lamento que o governo da presidente Jeanine Áñez, contrariamente à vontade do Brasil, não tenha podido participar dos nossos trabalhos ao longo do semestre."

Jeanine Áñez foi proclamada presidente da Bolívia após a saída de Evo Morales. Seu governo, no entanto, é contestado internamente e por outros países, mas não pelo Brasil.


Antes de Bolsonaro, o presidente do Paraguai afirmou que, apesar da pandemia, os negócios envolvendo o Mercosul foram essenciais para garantir parte das negociações de seu país.