Braskem Recicla pretende recolher 12 toneladas de lixo na Orla do Guaíba, em Porto Alegre

Braskem Recicla pretende recolher 12 toneladas de lixo na Orla do Guaíba, em Porto Alegre

Coleta deverá gerar R$ 20 mil em renda para a Associação de Catadores e Recicladores da Vila Chocolatão

Taís Teixeira

Braskem Recicla pretende recolher 12 toneladas de lixo na Orla do Guaíba, em Porto Alegre

publicidade

Um dos pontos mais movimentados de Porto Alegre, em especial nos fins de semana, a Orla do Guaíba,  tem reunido milhares de pessoas que buscam lazer, mas que não cooperam para manter o local limpo. Prova disso é o alto volume de lixo que se recolhe nas segundas-feiras. Para evitar esse descuidado com o espaço e conscientizar a população da importância ambiental em conservar a cidade limpa, incluindo a correta destinação dos resíduos sólidos, a Braskem, em parceria com a Solos - startup baiana que desenvolve soluções inteligentes para a gestão de resíduos, lançou a primeira edição do Braskem Recicla em Porto Alegre, na Praça Júlio Mesquita, em frente à Usina do Gasômetro, neste sábado. 

Com uma estrutura própria instalada no lugar para receber resíduos sólidos, como plásticos, embalagens entre outros, a iniciativa visa incentivar as pessoas a jogarem o lixo resultante do pós-consumo (como garrafas pets, latas, papéis) nos locais adequados e não no chão. A meta é coletar 12 toneladas de resíduos e gerar R$ 20 mil em renda para a Associação de Catadores e Recicladores da Vila Chocolatão com a venda do material. 

O gerente de Relações Institucionais da Braskem no Rio Grande do Sul, Daniel Fleischer, ressalta que a Braskem faz parte da cadeia do plástico e investe em iniciativas como essas para evidenciar que a reciclagem existe no Brasil e funciona, por meio de um  modelo eficiente de resíduos plásticos.“Esse material chega às cooperativas, que  fazem a triagem e encaminham para a indústria, onde são transformados em outras aplicações”, detalha. Por isso, essa ação é para elucidar que esse lixo seco, se for descartado de forma correta, vai ser aproveitado. “ Vai se transformar em trabalho e renda, que é o que preconiza a Política Nacional de Resíduos Sólidos no país”, destaca.

A cofundadora da Solos, Saville Alves, salienta que a pandemia suscitou diversos debates sobre o cuidado com a sustentabilidade no planeta . Ela menciona que o Braskem Recicla vem justamente para possibilitar ação prática com corresponsabilidade, unindo poder público, iniciativa privada e cidadão." Esperamos contribuir para um novo comportamento de quem usufrui da Orla do Guaíba e inspirar que leve a atitude da reciclagem para outros espaços”, estima.  

O presidente do Sindicato das Indústrias de Material Plástico no Estado do Rio Grande do Sul (Sinplast-RS) apoia essa ação e afirma que apenas 24% do lixo seco é reutilizado, o que considera um volume muito baixo. “ Falta plástico nas cooperativas e nos perguntamos como falta de vemos tanto material descartado na natureza”, questiona, ressaltando a importância da população compreender a relevância de destinar adequadamente as embalagens do pós-consumo.

O secretário  municipal do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade, Germano Breem, esteve no local e enfatizou a importância da atividade. “De fato, se as empresas não participarem da gestão da cidade, as coisas não acontecem”, entende, reforçando que a educação ambiental é tudo e que a Orla está sofrendo com a grande produção de resíduos. Na oportunidade, Breem disse que a rua João Alfredo, no bairro Cidade Baixa, faz parte do projeto Ruas Completas, que está em fase de captação de recursos para viabilização, pode se beneficiar com arborização urbana aliada à reciclagem. "Estamos avaliando as possibilidades", completa. O Braskem Recicla vai até o dia 12 e funciona das 9h às 21h.  

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895