Com sete surtos, Porto Alegre registra 74 casos de caxumba em 2016

Com sete surtos, Porto Alegre registra 74 casos de caxumba em 2016

Três jogadores do Grêmio estão entre os atingidos pela doença

Rádio Guaíba

Três jogadores do Grêmio estão entre os atingidos pela doença

publicidade

Subiu para 74, com o registro de sete surtos, o número de casos de caxumba em Porto Alegre, desde o início do ano. Entre as vítimas, há três jogadores do Grêmio.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, mais de 90% das ocorrências tiveram como vítimas jovens de 16 e 20 anos. A Pasta esclarece, ainda, que o termo ‘surto’ – usado para a ocorrência de dois ou mais casos relacionados, está relacionado a um espaço delimitado – quartel, creche, festa, por exemplo -, e não ao grau de gravidade.

No Brasil, a notificação de casos isolados não é obrigatória. A Vigilância em Saúde da prefeitura, no entanto, solicita a notificação de todos os surtos identificados na cidade.

No final de março, a Saúde emitiu Nota Informativa sobre a caxumba para a rede municipal de saúde. O documento reitera que a proteção contra a doença é garantida com a vacina tríplice viral (com componente sarampo, caxumba e rubéola), disponível na rede municipal para pessoas com até 49 anos de idade. Desde 2003, a dose é aplicada em todas as crianças aos 12 meses, com reforço aos 15.

A melhor maneira de controlar a doença é manter altas coberturas vacinais, o que resultou em diminuição importante na incidência da doença. Atualmente, há relatos de surtos no mundo (Holanda, França), no Brasil (São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte) e, também, dentro do Rio Grande do Sul (Porto Alegre e Canoas).

O que é

A caxumba (parotidite infecciosa) é uma doença viral que provoca aumento de glândulas salivares, geralmente parótidas (uni ou bilateral), dor e febre. A transmissão se dá por via aérea, através da disseminação de gotículas ou pela saliva. A incubação pode ser de 12 a 25 dias, em média 16 a 18 dias, e a transmissão ocorre seis dias antes das manifestações clínicas e vai até nove dias após o surgimento dos sintomas. O tratamento envolve repouso e analgésicos.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895