Com superlotação, UPAs de Porto Alegre atendem somente casos graves de Covid-19

Com superlotação, UPAs de Porto Alegre atendem somente casos graves de Covid-19

Pessoas com sintomas leves devem buscar atendimento nas unidades de saúde

Cláudio Isaías

UPA Moacyr Scliar é uma das unidades que está com superlotação e só atende casos graves de Covid-19

publicidade

O quadro nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da Cruzeiro do Sul, Moacyr Scliar, Lomba do Pinheiro e Bom Jesus, em Porto Alegre, está cada vez mais crítico. Superlotação e atendimento somente de casos de maior gravidade. Na entrada das unidades, servidores administrativos e técnicos de enfermagem prestam informações para quem procura o serviço de que caso não seja grave o atendimento dever ser buscado nas unidades de saúde.

Na UPA da Cruzeiro do Sul, morador do bairro Camaquã, o mestre de obras Everaldo Ubiraja, acompanhou o filho Carlos, que tinha uma consulta de traumatologia. "Chegamos às 6h e somente às 9h ele foi atendido. Em função da Covid-19, não pude acompanhá-lo na consulta", ressaltou.

Mesma situação ocorreu com o técnico em contabilidade Paulo Quevedo, que levou o filho Marcelo, para atendimento no setor traumatologia da UPA. "Graças a Deus não é Covid-19, mas a demora no atendimento deixa a gente ansioso", explicou. 

Na UPA Moacyr Scliar, na zona Norte de Porto Alegre seguia com o quadro de superlotação. Na manhã desta sexta-feira, 54 pacientes estavam em observação na unidade. A gerente da UPA, Jaqueline Cesar Rocha, informou que 18 pessoas aguardavam a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e cinco estavam em ventilação mecânica.

O movimento no Centro de Atendimento Respiratório Covid-19, localizado ao lado da UPA Moacyr Scliar, apresentou uma queda porque os pacientes com sintomas leves estão sendo orientados a buscar atendimento nas unidades básicas de saúde da Capital. No entanto, a UPA tem apresentado nos últimos dias um volume elevado de pacientes graves, e por este motivo a superlotação, pois a maioria precisa de internação.

Na Unidade de Pronto Atendimento da Bom Jesus, mais de 20 pessoas aguardavam por atendimento médico e para realizar exames da Covid-19. Quem buscou atendimento evitou a aglomeração na frente da instituição de saúde. Na UPA da Lomba do Pinheiro, os trabalhadores da saúde informavam que estavam sendo atendidos somente pacientes graves.

O coordenador Municipal de Urgências da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Diego Fraga, explicou que nos pronto atendimentos é priorizado o paciente grave, quando são verificados os sinais vitais e identificados os sintomas. "A ideia da secretaria é tentar distribuir entre as unidades de saúde o número de pacientes para que os pronto atendimentos e as emergências dos hospitais fiquem para os casos graves", ressaltou.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895