Deputados criticam recursos para Ponte do Guaíba

Deputados criticam recursos para Ponte do Guaíba

Parlamentares querem que investimentos sejam aplicados na duplicação da BR 116

Jessica Hübler

Deputados criticam recursos para Ponte do Guaíba e pretendem agendar reunião com Casa Civil e Ministérios

publicidade

O anúncio de R$ 240 milhões para a conclusão da obra da Ponte do Guaíba, realizado na última sexta-feira, foi criticado durante reunião das Frentes Parlamentares em Defesa da Conclusão da Duplicação da BR 116. O deputado estadual, Zé Nunes (PT) e o deputado federal, Afonso Hamm (PP-RS) afirmaram que a prioridade do governo federal é diferente do Estado, que destaca a duplicação da BR 116, na região Sul, como obra mais importante.

Após a reunião, ficou acordado entre os parlamentares, prefeitos e vereadores da região, que o próximo passo é agendar uma audiência com o chefe da Casa Civil e com os Ministérios do Planejamento e dos Transportes, na tentativa de remanejar parte dos recursos que haviam sido anunciados para a obra da Ponte do Guaíba e aplicá-los na duplicação da BR 116. Os parlamentares questionam qual o motivo para priorizar a Ponte e não a duplicação da rodovia federal.

De acordo com o superintendente regional do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Hiratan Pinheiro da Silva, há previsão de R$ 59 milhões para a BR 116 e R$ 12 milhões para o contorno de Pelotas, ainda este ano. “Para 2018 está previsto R$ 45 milhões para a BR 116 e R$ 13 milhões para o contorno. A única coisa que ainda não está contabilizada para 2018 é a emenda impositiva de mais de R$ 80 milhões, que ainda não está prevista no orçamento do Executivo”, explicou.

BR 116 precisa de mais dois anos para conclusão

Segundo ele, aproximadamente 60% da BR 116, do empreendimento como um todo, já estão concluídos e faltam cerca de R$ 660 milhões para a conclusão da duplicação, incluindo a finalização do contorno de Pelotas. “Precisamos de no mínimo dois anos para concluir a rodovia e mais um ano e meio para a conclusão plena do contorno de Pelotas”, detalhou o superintendente do Dnit no RS.

Para o deputado estadual Zé Nunes (PT), a sensibilização da bancada gaúcha para a emenda de R$ 81 milhões é considerada uma vitória para a Frente Parlamentar. “A duplicação da 116 é uma prioridade, em função de uma questão óbvia, nós temos hoje 300 quilômetros completamente congestionados e está sendo priorizada uma ponte, que é importante, em detrimento de 300 quilômetros inteiros”, afirmou. Segundo ele, viajar de Porto Alegre a Pelotas, em determinados horários, chega a demorar mais de 5h. “O nosso transporte de cargas também está sendo prejudicado. Um dos motivos da diminuição de cargas que chegam ao Porto de Rio Grande é a BR 116”, disse.

Ainda conforme Zé Nunes (PT), as Frentes Parlamentares devem continuar pressionando o governo federal e também pretendem buscar explicações sobre a priorização da Ponte do Guaíba.“Desde que parou a obra, houve uma mobilização que nos levou a organizar as frentes parlamentares, tanto no Estado, quanto a nível nacional”, explicou Hamm (PP-RS).

Segundo ele, estão sendo realizadas mobilizações organizadas que trabalham na programação orçamentária e financeira da obra. “O que nos surpreende é que mostramos, muitas vezes, que a obra de prioridade do Rio Grande do Sul é a conclusão desta BR, por quê? Somente neste ano, tivemos mais de 40 mortes. Nós precisamos garantir recursos”, ressaltou.

Ainda conforme Hamm, o anúncio do governo surpreendeu os parlamentares. “Priorizam a segunda ponte, que inexiste e que na verdade é importante estruturalmente, mas é uma questão de priorização dentro da escassez de recursos. Mesmo depois de tanta mobilização, o governo coloca no orçamento de 2018 apenas 10% da necessidade. Se sempre for assim, vamos levar 10 anos para concluir as obras. Na nossa opinião o governo federal está equivocado. Ou o Rio Grande do Sul não tem vez e voz? Essa é a pergunta”, destacou.

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895