Eduardo Leite pede atenção redobrada em março contra a Covid-19

Eduardo Leite pede atenção redobrada em março contra a Covid-19

Chefe do executivo estadual destacou que a vacinação terá uma expansão nos próximos meses e que é preciso não baixar a guarda

Correio do Povo

Governador Eduardo Leite alertou sobre a importância dos cuidados contra a Covid-19, especialmente, em março

publicidade

O governador Eduardo Leite fez um novo apelo para que a população do Rio Grande do Sul mantenha todos os cuidados necessário para a não propagação da Covid-19. Em material divulgado pelo governo do Estado, Leite destaca que o mês de março “requer uma atenção redobrada de todos”.

“Para dar um golpe no vírus, precisamos parar as pessoas, reduzir a circulação, reduzir o contágio e a ocupação das UTIs, por isso, que as restrições (adotadas pelo governo estadual) são fundamentais porque estamos prestes a ter uma expansão da vacinação nos próximos meses. Não é hora de baixarmos a guarda", afirmou.

O governador reconheceu o cansaço que todos estão enfrentando com a pandemia. "Todos nós estamos cansados, eu me incluo nesta condição, mas este mês de março requer uma atenção redobrada de todos. Por isso, não façam aglomerações. Cumpram os protocolos, usem a máscara, o álcool gel, higienizem constantemente as mãos e as superfícies e protejam-se com o máximo de distanciamento. Protegendo a si e ao próximo, pois esse é um exercício de empatia e de cidadania que salva vidas”, declarou o governador.

Na quinta-feira, o Estado ultrapassou os 13 mil mortos registrados em decorrência da infecção por coronavírus. A Secretaria Estadual de Saúde informou ainda que, nas 24 horas entre quarta e quinta, ocorreram 188 mortes por Covid-19 e quase 10 mil novos casos de infecção.

A taxa de ocupação de UTIs no RS na quinta-feira superava os 100%. De acordo com os dados estaduais, na tarde passada, a rede hospitalar tinha superlotação de 101,1%, atendendo 33 pacientes além do suportado pela estrutura. A maior sobrecarga estava nos leitos privados, com demanda de 130,5%.

“Nós estamos vivendo o pior momento da pandemia, e por isso peço a atenção de vocês. Muitas medidas que adotamos não são simpáticas, principalmente, com o fechamento de estabelecimentos comerciais. Não tenho nenhum prazer em estabelecer medidas como essas. O que nós estamos vivendo no Brasil e no Rio Grande do Sul é inédito, mesmo dentro da pandemia, com mudança do perfil das vítimas”, alertou Eduardo Leite.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895