Em trabalho ininterrupto, resgate em Fortaleza mobiliza 135 bombeiros
capa

Em trabalho ininterrupto, resgate em Fortaleza mobiliza 135 bombeiros

Até a noite dessa sexta-feira, sete corpos já haviam sido encontrados e ainda havia dois desaparecidos

Por
AE

Bombeiros confirmaram sétima morte na noite desta sexta-feira

publicidade

Na área do desabamento do Edifício Andréa, em Fortaleza, bombeiros usam máquinas nos escombros. Desde a terça-feira, a esperança de encontrar os desaparecidos com vida diminui a cada dia, mas nos pontos onde ainda há alguma chance de haver sobreviventes, continua o trabalho manual, mais lento. A equipe de 135 bombeiros, que se revezam de forma ininterrupta, tem ainda a ajuda de voluntários.

Até a noite dessa sexta-feira, sete corpos já haviam sido encontrados e ainda havia dois desaparecidos. "Quanto mais o tempo passa, obviamente as possibilidades diminuem, mas não zeram", afirma o Coronel Eduardo Holanda, comandante da operação desde o início. "O colapso foi muito forte e isso dificulta ainda mais a progressão", acrescenta.

"Meu estado físico, de toda a equipe e também dos voluntários é de muito cansaço, mas de extrema energia positiva", afirma Holanda. A expectativa dos bombeiros é de que toda a ação de resgate dure uma semana.

O empacotador José Carlos da Rocha, de 43 anos, é um dos voluntários que ajudam na retirada de entulhos e eletrodomésticos "Estou trabalhando aqui desde terça. Mas, apesar da tristeza desse acontecimento, estou feliz em poder ajudar de alguma forma. É a minha missão, até terminar."

Ele também diz seguir um regime de revezamento. "É uma turma grande, sabe?", conta. "A máquina tira o mais pesado e a gente ajuda a tirar o que a gente consegue aguentar. Já tirei máquina, geladeira." Ausente do supermercado, José Carlos disse que o patrão não vai descontar do salário os dias de ajuda aos bombeiros.

Entre os donativos mais comuns que chegam ao local, estão isopores carregados com água e gelo até materiais, como pomadas e spray para alívio de tensão muscular, máscaras e luvas. Marmitas, além de barras de cereais, sucos e doces, alimentam os grupos no local e o que sobra é doado a moradores de rua.

Profissionais da saúde também estão a postos. A estudante de Odontologia Rebeca Rutchele, de 23 anos, é outra voluntária que oferece ajuda todos os dias. "Faz parte ajudar o próximo", diz a jovem. "É o mínimo que posso fazer, ofertar um pouco do meu dia."