Entregues obras do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
capa

Entregues obras do Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Locais receberão setores de emergência, cirurgia, CTI/UTI, entre outros

Por
Eduardo Amaral

Locais receberão setores de emergência, cirurgia, CTI/UTI, entre outros

publicidade

As obras dos blocos C e B do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) foram entregues na tarde desta terça-feira. O prédio teve sua construção concluída na segunda-feira, e a instalação de equipamentos está prevista para iniciar a partir de dezembro, após a aprovação do Plano de Prevenção Contra Incêndios (PCCI) e posterior obtenção do Habite-se com a prefeitura da cidade.

Nos blocos entregues hoje serão colocados os setores de emergência, cirurgia, CTI/UTI, entre outros. Iniciadas em 2014, as obras de ampliação custaram R$ 513 milhões, valor pago pelo Ministério da Educação (MEC), já que o local é um hospital-escola. O órgão será o responsável pela verba de compra dos novos equipamentos que devem ser instalados no prédio a partir de dezembro.

Os valores estimados para aquisição de novos equipamentos são de R$ 100 milhões, que devem ser recebidos de maneira parcelada nos próximos anos, como explica a diretora-presidente do HCPA, Nadine Clausell. “Não tem como gastar toda essa verba em um ano, devemos receber e usar esse recurso aos poucos.”

Nadine se mostra otimista quanto a destinação de verbas, mesmo com os contingenciamentos feitos pelo MEC em 2019. “Isso é uma obra de bem comunitário que foi feita com recursos do Ministério. Não vejo uma grande dificuldade na destinação de novos recursos para o funcionamento.” A expectativa dos administradores é transferir a emergência do HCPA para o bloco B e recepção do ambulatório para o C até o fim do ano.

A emergência passará dos atuais 1,7 mil m² para 5,1 mil m². Mesmo com o aumento de espaço físico, o número de pacientes seguirá o mesmo, com 41 vagas adultas e 9 pediátricas. Entretanto, segundo Nadine, com um espaço maior será possível prestar um melhor atendimento aos pacientes. “Existe uma série de procedimentos que hoje não podemos fazer devido ao espaço”, explica ela.

O motivo de não ampliar o número de leitos é que o contrato com o Gestor Municipal do SUS estabelece os mesmos valores de repasse, impedindo assim a ampliação de leitos e contratação de novos profissionais.

Os administradores do hospital optaram por uma cerimônia simples para a entrega das chaves, restrita a funcionários do HCPA e pessoas envolvidas na construção dos novos blocos. “Precisávamos muito agradecer às pessoas que tocaram a obra”, afirma Nadine. Nos próximos meses serão feitas as revisões e instalações de redes elétricas e de informática, já que os novos blocos serão automatizados.