Estudo do Detran indica álcool em 37% dos condutores mortos em acidentes em 2019

Estudo do Detran indica álcool em 37% dos condutores mortos em acidentes em 2019

Levantamento cruzou dados da SSP nos registros de trânsito com testes de alcoolemia realizados pelo IGP

Ana Carolina Aguiar / Rádio Guaíba

Aumento de consumo de ácool na quarentena preocupa

publicidade

Levantamento do Detran cruzou dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP), sobre acidentes de trânsito com morte em 2019, com a base de resultados dos testes de alcoolemia, feitos pelo Instituto-Geral de Perícia (IGP), e concluiu que 37% das vítimas fatais desses acidentes estavam na direção do veículo e tinham álcool no sangue.

Foram analisados os casos de 624 condutores mortos em acidentes, entre motoristas de veículos quatro rodas e motociclistas, excluindo-se assim os caroneiros, pedestres, ciclistas, carroceiros. O conjunto, quando inclusas essas variantes e quando foi possível a realização do teste de alcoolemia pelo IGP, chega a 1.026 em um total de 955 acidentes fatais.

O percentual de mortos com presença de álcool no sangue foi maior entre motoristas de veículos de quatro rodas, chegando a 41% (142) de um total de 348 vítimas. Entre os 276 motociclistas mortos e testados, o percentual de alcoolemia foi de 33% (90). Observou-se também a presença predominante dos homens entre os condutores mortos com álcool no sangue, com proporção que chega a 97% (225) do total.

Nos acidentes em que não havia álcool envolvido, os homens representaram 79% das vítimas. Jovens entre 21 e 39 anos têm o maior percentual de alcoolizados entre os mortos em acidentes, chegando a 54%, índice também elevado, já que nos acidentes sem a presença de álcool eles foram 37%.

Entre os municípios maiores, que também têm o maior número de testados para alcoolemia entre os condutores mortos no trânsito, Canoas registra o maior percentual de alcoolizados. Foram 10 positivos para álcool entre 19 condutores mortos testados (52%). Em seguida, ficam Pelotas (39%), Porto Alegre (31%), Caxias do Sul (31%) e Gravataí (25%).

Choque com objeto fixo dobra quando há presença de álcool

O estudo do Detran comparou os tipos de ocorrências mais comuns entre os alcoolizados com a parcela que elas representam no total de 1.471 acidentes fatais registrados no RS em 2019. Chamou a atenção que choque com objeto fixo e capotagem somaram 18% do total de acidentes com morte no Estado, mas entre os acidentes com envolvimento de condutores/motociclistas alcoolizados, o percentual desse tipo de ocorrência sobe para 40%. O dado indica que, na maior parte dos casos, esses motoristas se acidentam sozinhos, sem o envolvimento de outros veículos.

O diretor-geral do Detran, Enio Bacci, manifestou preocupação com os dados, especialmente às vésperas das festas de final de ano. “Importante divulgar esse estudo a tempo de alertar a população sobre os riscos de se dirigir alcoolizado. Fazemos um chamamento para que não se tolere esse tipo de comportamento entre os familiares e amigos. É um grave problema de saúde pública que traz consequências para toda a sociedade. Principalmente nesses tempos, em que precisamos de todos os leitos de hospital disponíveis para as vítimas da Covid-19”, afirmou. “Vamos entrar no espírito de Natal, sendo empáticos e solidários. Vidas dependem de nossas ações, seja em não agir de forma irresponsável ou alertando para que outros não o façam.”


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895