Manifestação com cruzes pede saída de Bolsonaro em Porto Alegre

Manifestação com cruzes pede saída de Bolsonaro em Porto Alegre

Ato, que pediu vacina para todos e a continuidade do auxílio emergencial, simbolizou as mortes por Covid-19

Taís Teixeira

Grupo se mobilizou no Largo Glênio Peres

publicidade

Os gritos de fora Bolsonaro ecoaram em meios ás cruzes de madeira pretas espalhadas pelo chão, como forma de representar mais de 10.500 mortes no Rio Grande do Sul e mais de  220 mil no Brasil por Covid-19. Assim foi o ato simbólico organizado pela Central Única dos Trabalhadores do Rio Grande do Sul (CUT-RS) e mais oito centrais sindicais, que ocorreu nesta sexta- feira, no Largo Glênio Peres, no centro de Porto Alegre. 

A pauta da manifestação  incluiu o pedido de vacinação para todos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), a continuidade do auxílio emergencial , benefício concedido pelo governo federal durante a pandemia pago em seis parcelas de R$600 e mais três de R$ 300, que terminou  no dia 31  dezembro de 2020, sendo que os últimos valores foram depositados na quinta-feira e também o impeachment do presidente  Jair Bolsonaro.

“Do jeito que as coisas estão, vai demorar dois anos para toda a população ser vacinada, o que faz desse governo uma vergonha internacional”, afirmou o secretário de organização da CUT-RS, Claudir Néspolo, fazendo menção ao tempo em que acredita que pode levar para  todos serem imunizados pelo SUS. O representante do Fórum Pelos Direitos & Liberdades Democráticas, Érico Corrêa, esclareceu que a entidade participou tendo um dos pleitos principais a vacinação gratuita para todos. “Depois de brincar com a seriedade da doença, Bolsonaro está claramente tentando negociar com clínicas  a venda da vacinas”, comentou.

O integrante da secretaria de Mobilização da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Haroldo Britto, reiterou a necessidade de retomada do auxílio emergencial diante da pandemia. “É uma medida que precisa continuar porque muitas pessoas foram e estão desempregadas, sem condições mínimas para viver.”

A vice-presidente Sul da União Nacional dos Estudantes (UNE), Gabriela Silveira, salientou o fato de 55% dos estudantes faltarem ao Enem, que ocorreu nos domingos de 17 e 24 de janeiro. “ É um governo que não prioriza a educação ao manter as provas em meio a uma pandemia.".

Mais manifestações estão previstas no sábado, uma bicicletada às 16 horas, marcada no Parque da  Redenção, e no domingo, uma carreata, às 10 horas, com saída no Estádio Beira Rio.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895