Mato Grosso do Sul e São Paulo registram tempestade de areia

Mato Grosso do Sul e São Paulo registram tempestade de areia

Aeroporto de Mato Grosso do Sul chegou a registrar rajadas de 95 km/h na tarde de hoje

Correio do Povo e R7

Tempestade de areia em Barretos, Interior de São Paulo, nesta sexta-feira

publicidade

*Com informações de MetSul Meteorologia

Depois de passar pelo Interior do estado de São Paulo, a tempestade de areia chegou aos municípios de Mato Grosso do Sul. Na tarde desta sexta-feira, o aeroporto do Estado registrou rajadas de 95 km/h, conforme a MetSul Meteorologia. O fenômeno passou pelos municípios de Campo Bom e Dourados. 

O vendaval também derrubou a temperatura no estado. Os termômetros que registravam acima dos 30ºC despencaram para 18 C em questão de horas. 

Fonte: Inmetro

TEMPO | Temperatura em Campo Grande (MS) antes da ventania e da tempestade de areia era de 33°C. Com a chegada da frente fria e da chuva com trovoadas baixou para 18°C. pic.twitter.com/uj5WsDS8eX

A Prefeitura de Dourados decretou situação de emergência após o vendaval com chuva intensa. O decreto vale até o reestabelecimento da ordem pública. A vacinação contra Covid-19 na cidade foi suspensa por hoje devido a instabilidade na energia elétrica. 

Fenômeno volta a ocorrer no Interior de São Paulo

Nesta sexta-feira, o fenômeno voltou a ocorrer em algumas cidades do Interior de São Paulo. De acordo com levantamento do R7, a tempestade de areia foi observada por moradores da região de Ribeirão Preto, Brodowski, Colômbia, Barretos, Batatais, São Joaquim da Barra, Pitangueiras, Pirassununga, Sertãozinho, Serrana e Jardinópolis.

De acordo com o meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Franco Villela, as tempestades registradas ontem são similares às que aconteceram no dia 26 de setembro, mas com um caráter mais esparso.  “O diferencial da tempestade desta quinta-feira da outra é que essa teve caráter mais esparso, com chuvas fortes e com rajadas de vento muito fortes. No aeroporto de Ribeirão Preto foram medidos 75 km/h, mas, olhando as fotos, a gente pode dizer que em alguns pontos mais isolados pode ter chegado até os 100 km/h”.

Queimadas e arado

Segundo o meteorologista, as rajadas de ventos são típicas da primavera. “Os ventos dessas rajadas são bastante típicos da primavera, mas como a gente teve aí um período muito seco, e estão começando a se restabelecer as chuvas, mas, ainda assim, tem muitos terrenos que foram queimados em toda uma extensão. Desde Ribeirão Preto até o norte do estado você vai observando que tem áreas muito grandes que foram queimadas, reduzindo a cobertura vegetal."

Villela ressaltou que, junto à queimada, há o gradeamento. “Aliado a isso, tem ainda técnicas agrícolas do gradeamento, que é o arado. Então, esse solo, em grandes extensões de solo nu, quando faz calor e precede a chegada dessas tempestades, os ventos dessa tempestade levantam muita poeira mesmo. É poeira misturada com muito solo, então é efeito dessa técnica do gradeamento e também dos incêndios [ocorridos em agosto e setembro]."

Previsão

Segundo o meteorologista, para o fim de semana a previsão é de tempestade, mas para formar essa condição com a areia, depende do solo. “A tempestade de poeira depende muito da condição do solo, mas, como já choveu ontem, esse solo fica mais pesado. Isso já dificulta mais. Onde teve chuvas mais fracas o solo fica mais agregado e mais pesado, precisando de ventos mais fortes ainda, mas existe esse potencial ainda de ocorrer, não só na região do interior, mas em qualquer parte do estado. Mas, se houver, deve ser mais parecido com o que houve ontem, e não com o que houve no 26 de setembro, que formou uma extensão muito grande”, afirmou o meteorologista.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895