Melo fala em salvar economia de Porto Alegre e anuncia mais medidas contra Covid-19

Melo fala em salvar economia de Porto Alegre e anuncia mais medidas contra Covid-19

Prefeito garantiu a cobertura da administração na ampliação de leitos de hospitais e pediu a Eduardo Leite mudança nos horários dos supermercados

Correio do Povo

Melo fala em salvar economia de Porto Alegre e anuncia mais medidas contra Covid-19

publicidade

Com um discurso focado em salvar a economia de Porto Alegre, o prefeito Sebastião Melo anunciou no começo da tarde desta quinta-feira mais medidas para conter a disseminação da Covid-19 na Capital. Ele determinou ampliação de leitos de hospitais da cidade e garantiu a cobertura da administração municipal nos gastos com mais locais e equipamentos para atender pacientes infectados com o novo coronavírus. Além disso, Melo proibiu a circulação de ônibus com passageiros em pé. 

"Para preservarmos as atividades econômicas e a geração de renda, estamos determinando que toda a rede hospitalar amplie os leitos necessários, com equipamentos. A prefeitura vai garantir isso. Esta é a primeira medida. A partir de amanhã, nenhum passageiro em pé será permitido nos ônibus de Porto Alegre. Além disso, vamos ampliar a frota nos horários de pico", disse antes de comunicar que terá uma reunião com os "setores produtivos" para verificar qual o melhor horário de funcionamento de atividades. 

Veja Também

Outra medida anunciada por Melo diz respeito aos espaços culturais da prefeitura, que serão fechados. "A outra questão é que todas as atividades da prefeitura que não são essenciais serão feitas em home office. Para não fechar as atividades econômicas, estamos restringindo. Até vamos fazer uma sugestão ao governador Eduardo Leite, que é um homem de diálogo, que amplie os horários dos supermercados. Colocamos equipes da prefeitura para andar por aí e vimos que não deu certo fechá-los às 20h. As pessoas vão e aglomeram. Fica aqui uma singela sugestão ao governador", acrescentou. 

Ao falar dos espaços públicos, Melo comentou que o tópico foi muito discutido pela prefeitura que, num primeiro momento, não irá fechá-los. Por isso, o prefeito decidiu fazer um apelo à população. "Não ocupe os espaços públicos da cidade. Não vamos fechá-los, mas se a população não atender o pedido do governo, nós vamos ter de fazê-lo. Contribua com a sua família para que a gente salve a economia da cidade. Saibam que estamos dispostos a restringir mais", avisou. 

Mesmo com a negativa da CBF e da detentora dos direitos de transmissão, Melo quer a mudança de horário dos jogos da dupla Gre-Nal. "Mudem os horários dos jogos da dupla. Contribuam com o Brasil. Mas se isso não acontecer, nós já retiramos as churrasqueiras móveis de parques e praças para evitar a aglomeração de pessoas nas comemorações", disse. O pedido, no entanto, pode ter vindo tarde porque o Inter deve entrar em campo às 21h30min contra o Corinthians com possibilidade de ser o campeão brasileiro. Já o Grêmio atuará no domingo, às 16h, contra o Palmeiras no jogo de ida da final da Copa do Brasil. 

Campanha e defesa da cogestão 

Melo também anunciou uma campanha de conscientização diante do avanço da pandemia em Porto Alegre e no Rio Grande do Sul. Ela começará a ser veiculada nas rádios da Capital. O prefeito ainda confirmou as horas extras para equipes de fiscalização da prefeitura. 

Em seu pronunciamento, Melo reiterou a defesa da cogestão e argumentou que qualquer medida mais rígida em Porto Alegre deverá ser acompanhada pelas prefeituras de cidades vizinhas. 

"Nós acreditamos na cogestão e não queremos nos omitir. Queremos mostrar que estamos juntos do governador (Eduardo Leite). Todos os prefeitos brotaram das urnas e estamos dispostos a restringir mais ainda, mas queremos que as atividades econômicas sejam preservadas. Um plano de restrição para uma cidade não pode ser só dela, mas também das cidades vizinhas, porque há vida comum na região metropolitana e na Capital. Muitas pessoas chegam a Porto Alegre de Viamão, Canoas, Novo Hamburgo e vice-versa", explicou. 

 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895