Mercado Público registra aglomerações na manhã da Sexta-feira Santa

Mercado Público registra aglomerações na manhã da Sexta-feira Santa

Na entrada, a equipe de vigilância realizou a aferição da temperatura e ofereceu álcool em gel, mas as bancas registraram aglomerações

Cláudio Isaías

Presença de centenas de consumidores impediu o distanciamento social no Mercado Público

publicidade

A movimentação de clientes na Sexta-feira Santa foi intensa mesmo na manhã do feriado o Mercado Público de Porto Alegre. No Largo Glênio Peres, desde as primeiras horas do dia foram registradas filas para ingressar no centro de abastecimento. Na entrada, a equipe de vigilância realizou a aferição da temperatura e ofereceu álcool em gel aos clientes. As bancas que comercializavam peixes registraram aglomerações – a presença de centenas de consumidores impediu o distanciamento social para prevenção do coronavírus.

Quem foi em busca do peixe para o almoço de sexta-feira teve que enfrentar aglomeração no Mercado Público. Os clientes utilizavam máscaras assim como os funcionários das bancas. No entanto, as pessoas permaneciam muito próximas umas das outras nas filas e em frente as bancas. 

Moradora do bairro Partenon, a dona de casa Marina Castro, acompanhada da filha Ana Luiza, disse que deixou para a última para comprar o peixe. "Vamos preparar um almoço para seis pessoas", destacou. Ela comprou três quilos de filé de merluza e dois de tainha.

O técnico em eletrônica Ênio Medeiros, residente no bairro Santana,  não se mostrou preocupado com circulação intensa dentro do Mercado Público. "Vou comprar tainha e vinho e deixar o local rapidamente", acrescentou. Com o comercial não essencial do Centro Histórico de Porto Alegre fechado em razão das restrições determinadas pelo governo do Estado, muita gente optou por circular para conferir os produtos do centro de abastecimento.

Além das vendas nas bancas, o local ofereceu produtos para a Páscoa por tele-entrega. Os consumidores podem adquirir do bacalhau a uma infinidade de tipos de chocolate, pelo telefone celular. Os produtos são comercializados pelas bancas do Holandês, 38, 26 e 43 que são referência na oferta de bacalhau, vinhos e azeites de oliva, ingredientes que não podem faltar na Sexta-feira Santa e no domingo de Páscoa.

Os clientes podem adquirir os produtos pelos telefones: banca do holandês: tele-entrega: (51) 3212.3123 ou whatsapp: (51) 9840-2039; banca 26: tele-entrega:  (51) 3224.2026 e Whatsapp: (51) 98151.9996; banca 43: tele-entrega: (51) 3228.6545 ou Whatsapp: (51) 98422.9329.

De acordo com Adriana Kauer, presidente da Associação do Comércio do Mercado Público Central (Ascomepc), as restrições impostas pela pandemia da Covid-19 prejudicaram as vendas presenciais de Páscoa no ano passado. No entanto, segundo ela, as lojas precisaram se adaptar para um novo tipo de venda.

“A Páscoa é uma data importante, tanto para quem vende, quanto para quem compra. E aqui temos muito esse caráter de fomentar o empreendedorismo, uma vez que muitas pessoas acabam comprando os ingredientes para fazerem seus próprios chocolates em casa e, assim, garantir uma renda extra. Em tempos difíceis como os que estamos vivendo isso é muito importante”, acrescentou.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895